Autor de ataque a creche em Saudades agiu sozinho e tentou comprar arma de fogo

·2 minuto de leitura
SAUDADES, SC, 05/05/2021: ATENTADO-ESCOLA-SC – Movimentação durante o velório e enterro das cinco vítimas mortas no atentado à escola infantil Pró-Infância Aquarela em Saudades, no oeste de Santa Catarina. (Foto: Thaiza Pauluze/Folhapress)
SAUDADES, SC, 05/05/2021: ATENTADO-ESCOLA-SC – Movimentação durante o velório e enterro das cinco vítimas mortas no atentado à escola infantil Pró-Infância Aquarela em Saudades, no oeste de Santa Catarina. (Foto: Thaiza Pauluze/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O autor do ataque a creche que vitimou três crianças e duas professoras em Saudades (SC) agiu sozinho, planejou a ação por meses e tentou comprar arma de fogo, mas não conseguiu. Fabiano Kipper Mai, 18, confessou o crime e pretendia se matar.

O inquérito foi concluído e as informações foram divulgadas pelo delegado responsável, Jerônimo Ferreira, nesta sexta-feira (14). Foram ouvidas 20 testemunhas e analisados materiais eletrônicos.

Kipper Mai está preso preventivamente por homicídio quintuplo triplamente qualificado e uma tentativa de homicídio triplamente qualificado.

O delegado nega que o jovem tenha algum tipo de problema psicológico que possa impedir sua punição criminal.

"É uma pessoa normal, com absoluta consciência do que iria fazer. Tinha determinação, sabia exatamente o que queria e agiu sozinho, de forma premeditada. Não há qualquer indício de que alguém tenha o auxiliado, mas ele tem sim que ser responsabilizado pelos crimes graves e cruéis que cometeu", disse.

A defesa do jovem solicitou à Justiça um exame para avaliar sua sanidade mental, mas o pedido foi negado.

Na manhã do dia 4 de maio, Kipper Mai foi trabalhar normalmente na empresa de produção têxtil, saiu no intervalo, por volta das 9h, foi em casa e depois pedalou até a creche, onde ele pretendia matar o máximo de pessoas possível.

Sobre a motivação do crime, o delegado explicou que, embora Kipper Mai não tivesse acesso à deep weeb, ele tinha contato com maerial e ideias violentas, além de pessoas que pensavam parecido.

"Ele passou a alimentar um ódio generalizado nos últimos meses e resolver descarregar em alguém. Primeiro, pensou em atacar pessoas do seu convívio, colegas. Tentou comprar uma arma de fogo de várias formas e não conseguiu. Aí achou que não daria conta de enfrentar essas pessoas com uma faca e decidiu atacar a creche. Foi um ato ainda mais covarde. Eram pessoas que não tinham nada a ver com ele, mas mais frágeis", explicou o delegado.

Segundo os depoimentos, Kipper Mai era um jovem isolado, com dificuldade de se relacionar. "Em um nível muito acima do normal", disse Jerônimo Ferreira. "Por exemplo, a família se reunia para jantar e ele ia comer no quarto. Precisava comprar uma roupa, ele pedia para a mãe."

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos