PF acredita que autor de atentado a Bolsonaro agiu sozinho

Jair Bolsonaro, presidenciavel do PSL, segue com o titulo de candidato mais

Em duas semanas de investigação, a Polícia Federal (PF) ainda não identificou nenhum indício de que Adélio Bispo e Oliveira tenha atacado Jair Bolsonaro a mando de um terceiro. Oliveira esfaqueou o candidato à presidência do PSL no dia 6 de setembro e, até o momento, está descartada a hipótese dele ter recebido ajuda de outra pessoa para cometer o crime.

Marilia Arraes é indiciada por peculato em Pernambuco
Como o impeachment mudou o destino de petistas e tucanos na eleição de 2018?
“Não tenho medo de nada”: candidaturas trans disparam em 2018
Procuradoria Eleitoral pede que anúncio ‘Haddad é Lula’ seja retirado do ar

A primeira parte da investigação foi concluída hoje pela PF que pediu mais 15 dias para apresentar um relatório final à Justiça Federal. A etapa seguinte do trabalho da PF pretende aprofundar ainda mais a apuração do caso mesmo que ainda não tenha sido identificado qualquer indício da participação de terceiros. Conforme informações obtidas pelo jornal “O Globo” junto a investigadores, a parte final da investigação é encarada mais como uma precaução nos envolvidos na apuração do caso.

Até o momento foram vasculhados computadores, dados armazenados em celulares, contatos telefônicas, redes sociais, contas bancárias e relações pessoais, entre outros aspectos da movimentação de Adélio. Também foram ouvidas 15 testemunhas e foram feitos três interrogatórios formais de Adélio. Atualmente, o autor do atentado está preso. A pedido de seus advogados, a Justiça permitiu que ele faça uma avaliação psiquiátrica.