Autoridade de saúde dos EUA alerta que hesitação com vacinas pode alongar pandemia

·1 minuto de leitura
Dr. Francis Collins é vacinado em Bethesda

WASHINGTON (Reuters) - Pessoas que estão relutantes em tomar vacinas contra a Covid-19 podem acabar prolongando a pandemia, afirmou o diretor do Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos, Francis Collins, nesta quinta-feira.

Collins disse em entrevista à Fox News que não está preocupado se haverá quantidade suficiente de vacinas, mas que teme a "hesitação que ainda existe em muitos grupos" e que tornará mais difícil atingir a imunidade "pois muitas pessoas irão basicamente dizer 'não, não para mim', e isso pode basicamente levar a pandemia a continuar muito mais tempo do que precisa", disse.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, anunciou na quinta-feira que seu governo estabeleceu uma nova meta de aplicar 200 milhões de doses de vacinas contra o coronavírus nos seus primeiros 100 dias de governo, o dobro de seu objetivo original.

Collins disse que autoridades de saúde não sabem qual a proporção da população que já teve a Covid-19, e encorajou os norte-americanos que sabem que já contraíram a doença que sejam vacinados.

"Surpreendentemente, a infecção com a doença natural da Covid-19 não oferece a imunidade necessária para evitar a infecção pela segunda vez, como a vacina faz", disse.

Como outras autoridades de saúde, Collins avisou que era cedo demais para declarar a vitória contra a pandemia do coronavírus, citando ressurgências em alguns países europeus causados por variantes do vírus.

"Ainda temos que nos ater às medidas de saúde pública para limitar a transmissão desta variante altamente contagiosa enquanto vacinamos o resto do país, e então, no verão, talvez possamos colocar isso tudo para trás", disse. "Mas ainda não é a hora".

(Reportagem de Doina Chiacu)