Autoridades de Bangladesh tentam identificar vítimas de explosão fatal

As autoridades de Bangladesh começaram, nesta segunda-feira (6), a realizar testes de DNA nos familiares dos desaparecidos após a explosão de um depósito de contêineres com o objetivo de identificar os mais de 40 corpos carbonizados por este incêndio.

O incêndio foi declarado no sábado às 21H30 locais em um depósito particular onde estavam quase 4.000 contêineres, em Sitakunda, a 40 quilômetros do porto de Chittagong, sudeste do país.

Centenas de bombeiros compareceram ao local para combater as chamas, que atingiram vários contêineres com produtos químicos, o que provocou uma grande explosão uma hora mais tarde.

As autoridades reduziram para 41 o número de mortos, que inicialmente estava em 49. Além disso, 300 pessoas ficaram feridas, algumas delas com queimaduras em 50%-60% do corpo. Dez estão em situação crítica e recebem tratamento na capital Daca.

Dezenas de pessoas, entre elas dois bombeiros, estão desaparecidas.

O secretário de Saúde de Chittagong, Elias Chowdhury, afirmou que foi necessário convocar médicos que estavam de folga para tratar os feridos.

No hospital de Chittagong, a polícia e os médicos reuniram os familiares dos desaparecidos para recolher amostras de seu DNA para a identificação das vítimas.

A busca por vítimas continua complicada porque o fogo ainda não foi controlado. Colunas de fumaça ainda saem de dezenas de contêineres, "entre 30 e 40 continuam queimando", declarou um inspetor do serviço de incêndios, Harunur Rashid.

- "Perdi meu filho" -

Abdul Hannan, de 60 anos, se recusa a acreditar que seu filho tenha morrido na explosão. "Meu filho ligou para a esposa para falar do incêndio. Ela ouviu a explosão pelo telefone e desde então não conseguimos falar com ele", explica desesperado. "Meu Deus, perdi meu filho!".

O ministro do Interior, Asaduzzaman Khan, visitou o local do acidente para prometer justiça. "Quem cometeu esse crime será punido de acordo com a lei", declarou à imprensa.

Ao menos nove bombeiros morreram pela explosão. "Nunca na história do serviço morreram tantos bombeiros", contou à AFP Purnachandra Mutsuddi, vice-comandante da unidade de bombeiros de Chittagong, que liderava as operações.

- "Nenhum plano de segurança" -

Purnachandra Mutsuddi afirmou que o local de 10,5 hectares "não tinha nenhum plano de segurança contra incêndios".

"Um plano de segurança prevê como o depósito vai combater e controlar um incêndio. Mas não havia nada", afirmou à AFP Mutsuddi.

Mutsuddi explicou que os bombeiros - sem saber que havia peróxido de hidrogênio dentro do depósito - pulverizaram água, desencadeando uma explosão que "lançou um contêiner voando" a mais de 150 metros.

"Existem regras sobre o peróxido de hidrogênio. Se soubéssemos, nunca teríamos jogado água. Nunca teríamos levado nosso veículo para dentro do depósito", afirmou.

A empresa em que aconteceu a tragédia, B.M Container Depot, foi criada em um 2012 por empresários de Bangladeh e da Holanda,  que emprega quase 600 pessoas.

De acordo com o site do grupo, o presidente é Bert Pronk, um cidadão holandês com quem a AFP ainda não conseguiu entrar em contato.

De acordo com a imprensa local, entre os diretores da B.M Container Depot está um funcionário de alto escalão do partido no poder, a Liga Awami, em Chittagong.

Cerca de 90% dos 100 bilhões de dólares em comércio anual de Bangladesh transita por Chittagong.

Mominur Rahman, administrador do distrito, explicou que bilhões de dólares em roupas destinadas à exportação foram armazenados nos depósitos.

Em fevereiro de 2019, pelo menos 70 pessoas morreram e outras 55 ficaram feridas em um grande incêndio em edifícios em Daca, onde produtos químicos foram armazenados ilegalmente.

str-sa/slb/lb/lth/lch/an/es/fp/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos