Autoridades consideram suicídio em caso de mulher achada morta no norte do México

Protesto pela morte da jovem Debanhi Escobar, em Nuevo Leon, México, em 22 de abril de 2022 (AFP/Julio Cesar AGUILAR) (Julio Cesar AGUILAR)

A Promotoria do estado mexicano de Nuevo León informou nesta quarta-feira (11) que o suicídio é uma das principais linhas de investigação sobre a morte de uma jovem que havia sido reportada como desaparecida há mais de um mês.

“Foi feita uma análise inicial detalhada, não é conclusiva, mas até o momento (...) foi solidificada, consolidada sobretudo a linha de investigação orientada a um suicídio”, declarou em coletiva de imprensa Luis Enrique Orozco, vice-promotor de Nuevo León, estado no norte do México.

O corpo de Yolanda Martínez, de 26 anos, foi encontrado em um prédio do município de Juárez, na periferia de Monterrey, a capital de Nuevo León, e em meio à indignação no país pela ainda não explicada morte da jovem Debanhi Escobar, do mesmo estado.

O desaparecimento da mulher foi notificado em 31 de março na colônia Constituyentes de Querétaro, localizada no município de San Nicolás de los Garza, Nuevo León.

“Conforme avançou a investigação, a análise de evidências periciais, a teoria de feminicídio foi enfraquecendo”, disse Orozco. O corpo de Yolanda “não apresenta nenhum indício de lesões ou tortura”, explicou.

Ele esclareceu, porém, que “ainda está em andamento o parecer da autópsia” para determinar a causa da morte. “Está sendo analisada a necessidade de designar especialistas de outras partes do país, de estrangeiros”, afirmou.

O último testemunho do paradeiro da jovem é um vídeo de uma câmera de segurança que a mostra saindo de sua casa com a intenção de procurar emprego, segundo disse seu pai à imprensa.

A morte de Yolanda disparou a atenção midiática na esteira da morte de Debanhi Escobar, de 18 anos, que desapareceu na noite de 8 de abril nos arredores de Monterrey. Seu corpo foi encontrado em 21 de abril no fundo da cisterna de um motel.

O caso gerou indignação no país e protestos de coletivos feministas. Ambas as mortes colocaram em evidência a gravidade da violência de gênero no México, onde são assassinadas em média 10 mulheres por dia, segundo dados oficiais.

str-jg/yug/llu/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos