Autoridades internacionais vão avaliar mudanças no Boeing 737 MAX

Boeing da American Airlines

A Administração Federal de Aviação (FAA) anunciou que realizará uma revisão técnica conjunta das modificações no Boeing 737 MAX a partir de 29 de abril, da qual participarão representantes de nove autoridades de aviação internacional - inclusive a brasileira Agencia Nacional de Aviação Civil (Anac).

Esta revisão técnica fará uma verificação minuciosa da certificação do sistema automatizado de controle de voo da aeronave, disse a agência federal americana em um comunicado na sexta-feira.

Este sistema, presente no modelo 737 MAX da fabricante de aviões americana Boeing, é relacionado a duas tragédias recentes, com um saldo de 346 mortes. Por isso, o avião está parado no mundo inteiro há mais de um mês.

Os especialistas se reunirão em 29 de abril para essa revisão, que durará 90 dias.

Eles avaliarão aspectos do sistema de controle de voo automatizado do 737 MAX, incluindo seu design e a interação dos pilotos, a fim de determinar a conformidade com todas as regulamentações aplicáveis, e identificar quaisquer melhorias que possam ser necessárias em voos futuros, diz o FAA.

As autoridades aéreas participantes são as de Austrália, Brasil, Canadá, China, União Europeia (Agência Europeia para a Segurança da Aviação, a Easa), Japão, Indonésia, Singapura e Emirados Árabes Unidos.

O grupo encarregado desta revisão é presidido pelo ex-chefe da Agência de Segurança nos Transportes dos EUA, e inclui especialistas da FAA e da Nasa, bem como representantes das autoridades de aviação internacionais.