Autoridades investigam se promotor morto na Colômbia foi seguido desde o Paraguai

O promotor paraguaio especializado no combate ao tráfico de drogas Marcelo Pecci em imagem divulgada pelo Ministério Público do Paraguai, em 10 de maio de 2022 (AFP/Handout) (Handout)

Autoridades paraguaias investigam se o promotor antidrogas Marcelo Pecci, morto ontem em uma praia do Caribe colombiano, foi seguido desde Assunção por seus assassinos, disse à AFP o comandante em chefe da Polícia Nacional, Gilberto Fleitas.

"É uma possibilidade. Não podemos descartar nada. Estamos investigando detalhadamente, com a colaboração da Polícia Colombiana e do FBI", disse o responsável paraguaio pela segurança.

Fleitas lembrou que o procurador Pecci, assassinado na ilha colombiana de Barú durante sua lua de mel, "cuidava de casos muito importantes contra membros do crime organizado envolvidos em lavagem de dinheiro e no narcotráfico".

O Ministro do Interior, Federico González, acrescentou que as forças de segurança nacionais “trabalham em coordenação com a Interpol, a DEA, o FBI e a Polícia Colombiana para avançar na identificação e captura dos responsáveis”.

Questionado sobre a possibilidade de Pecci ter sido seguido desde o Paraguai, González disse que "nenhuma linha de investigação pode ser descartada. Tudo está sendo analisado". Ele ressaltou que confia nos resultados da investigação conjunta com seus pares colombianos e americanos.

Para esta sexta-feira foi anunciada uma manifestação de protesto contra o assassinato de Pecci, 45. A chamada "Marcha da Coragem" partirá da sede do Ministério Público até o Panteão dos Heróis, no raio central da capital paraguaia.

hro/nn/llu/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos