Auxílio Brasil: Pacheco diz que há 'tendência' no Senado de manter valor de R$ 400

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

BRASÍLIA — O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou nesta quarta-feira que há uma "tendência" de manter o valor mínimo do Auxílio Brasil em R$ 400, conforme aprovado pela Câmara. Pacheco falou sobre o assunto antes do término da apreciação na outra Casa.

— Em relação ao valor, eu imagino que haja já uma tendência de se manter o valor que foi pactuado até porque de nossa parte, do Senado, nós temos uma grande responsabilidade fiscal também — declarou, em conversa com jornalistas.

A MP tem prazo até o dia 16 de maio para ser apreciada. Do contrário, perde a validade.

— Assim que chegar no Senado, será designado um relator. Nós colocaremos no plenário do Senado dentro do prazo de caducidade da medida provisória — garantiu o presidente do Senado.

Por 418 votos a sete, a Câmara aprovou há pouco a MP que estabeleceu R$ 400 como valor mínimo do programa Auxílio Brasil.

Para garantir acordo, o ex-ministro João Roma (PL-BA), relator da matéria, incluiu de última hora uma alteração para que o benefício tenha caráter permanente, e não acabe no fim deste ano, como previsto originalmente pelo governo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos