Auxílio emergencial: Prefeitura do Rio multa 25 agências da Caixa por não evitar aglomerações

Pollyanna Brêtas
1 / 2

Caixa 2 06.jpeg

Fiscais da prefeitura do Rio tentam organizar filas nas agências da Caixa

A Vigilância Sanitária, da Prefeitura do Rio, multou 25 agências da Caixa Econômica Federal por falta de barreiras sanitárias para reduzir os riscos de transmissão do novo coronavírus (Covid-19). As agências amanheceram nesta quarta-feira com mais um dia de longas filas e aglomerações devido ao pagamento do auxílio emergencial de R$600. Hoje é o primeiro dia de liberação de saques para todos os trabalhadores, até ontem o calendário seguia os meses de nascimento dos beneficiários.

Fiscais da prefeitura tentam organizar um distanciamento minimo entre os trabalhadores, ruas foram interditadas, no entorno das agências, em alguns bairros, e marcações foram feitas no chão para tentar manter um distanciamento, mas as medidas ainda não surtiram o efeito desejado.

Além de trabalhadores que não tiveram a primeira parcela de benefício liberado, a Caixa Econômica Federal ainda espera autorização da Dataprev e do Ministério da Cidadania para pagar o auxílio emergencial de R$ 600 para seis milhões de pessoas. São trabalhadores informais que fizeram o cadastro no aplicativo do banco e estão à espera do benefício. Segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, se os órgãos enviarem os dados até essa terça-feira, o pagamento será feito ainda nesta semana.

Na inspeção de terça-feira, os técnicos verificaram as condições higiênico-sanitárias em banheiros e outros espaços de 41 unidades bancárias, com um total de 34 infrações aplicadas: duas por falta de higiene, duas por ausência de licença sanitária, cinco por ausência de álcool 70% em gel e 25 por aglomeração.

Além de conferir se as agências estão adotando as medidas necessárias para manterem o distanciamento mínimo de um metro e meio entre as pessoas, inclusive nas filas, os fiscais vistoriam as condições dos banheiros onde deve haver papel higiênico, sabão líquido, papel-toalha, lixeira com tampa sem acionamento manual e álcool 70% em gel, que desde o dia 27 de abril passou a ser obrigatório também na área de autoatendimento dos caixas eletrônicos.

– O objetivo dessa inspeção nas agências da Caixa é assegurar que as medidas de prevenção contra a Covid-19 sejam respeitadas, como o afastamento físico de um metro e meio, inclusive nas áreas externas, proporcionando mais segurança ao público e minimizando a contaminação – ressalta a médica-veterinária Mônica Valim, coordenadora do Núcleo de Fiscalização em Ambientes de Trabalho (Nifat) da Vigilância Sanitária.

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra (21 99644 1263)