Auxílio emergencial: Presidente do BC diz que há 'pouco ou nenhum espaço' para prorrogar benefício sem ajuste fiscal

Gabriel Shinohara
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, disse nesta terça-feira que há pouco espaço fiscal para prorrogar o auxílio emergencial. A declaração ocorre em meio à pressão do Congresso para estender o benefício sem aprovar medidas de ajuste fiscal.

Questionado sobre a sinalização do presidente Jair Bolsonaro de uma nova rodada de repasses, Campos Neto afirmou que, se a decisão for tomada, contrapartidas serão necessárias.

— Nós pensamos que há pouco ou nenhum espaço para mais transferências fiscais sem contrapartidas. É necessário ter certeza que você está falando para o mercado que você tem a necessidade de gastar um pouco mais, mas está tomando medidas para frear um crescimento de despesas no futuro — disse ele, durante transmissão ao vivo.

O presidente do BC vem há alguns meses defendendo uma diminuição dos gastos do governo e alertando que um aumento extraordinário de despesas pode trazer efeitos negativos para a economia, diminuindo a credibilidade do país.

— Nós passamos por um ponto de inflexão em que o mercado está nos contando que se você apenas gastar mais, a reação das variáveis do mercado à fragilidade que o país terá com a situação fiscal, o efeito vai ser pior do que os benefícios de colocar mais dinheiro na economia.

Assim como o presidente Bolsonaro, o novo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) e o da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) já sinalizaram que vão avaliar uma volta do auxílio emergencial. Campos Neto vê um “consenso” hoje que qualquer medida precisa estar dentro de um quadro de disciplina fiscal.

— Em ambos, no Executivo e no Legislativo, eu vejo que há um consenso hoje que se qualquer coisa for feita, precisará ser dentro desse quadro de disciplina fiscal.