Auxílio emergencial: saiba as principais causas para 'análise inconclusiva'

Fila em agência da Caixa de Nova Iguaçu

RIO - Um universo de 13,6 milhões de da Caixa Econômica Federal para receber o auxílio emergencial. Ao analisar em torno 40 milhões de inscrições realizadas no sistema do banco, a Dataprev não conseguiu identificar se esses trabalhadores têm direito ao benefício. Outros 20,27 milhões foram considerados elegíveis e 6,97 milhões, inelegíveis.

Quando a análise do pedido é inconclusiva, o interessado precisa fazer nova solicitação para corrigir dados informados.

Entre os motivos para esse tipo de resultado estão: marcação como chefe de família sem indicação de nenhum membro; falta de inserção da informação de sexo; preenchimento incorreto de dados de membros da família; divergência de cadastramento entre integrantes da mesma família; e inclusão de alguma pessoa que já morreu.

Ao todo, foram finalizados no sistema 49,2 milhões de cadastros até a tarde de quarta-feira. Desse total, 46 milhões já foram repassados à Dataprev para cruzamento de dados e autorização do pagamento.

Se o resultado for “benefício não aprovado”, o trabalhador também poderá contestar o motivo da não aprovação ou realizar nova solicitação.

O cronograma de saque do auxílio, em dinheiro, para trabalhadores que não tinham conta em banco começou na segunda-feira e continua até 5 de maio, de acordo com o mês de nascimento. Hoje, serão pagos os nascidos em julho e agosto.

A Caixa afirma que tenta acelerar o atendimento, já que muitos enfrentam problemas para acessar o app e se aglomeram nas agências. O calendário de pagamento da segunda parcela só será anunciado quando a situação melhorar.