Aplicativo para receber auxílio emergencial do governo já está disponível

Equipe HuffPost

Trabalhadores informais não inscritos em programas sociais já podem baixar o aplicativo da Caixa Econômica Federal que permitirá o cadastramento para receberem a renda básica emergencial do governo. 

O auxílio - de R$ 600 ou de R$ 1,2 mil para mães que são chefe de família - será pago por pelo menos três meses para compensar a perda de renda decorrente da pandemia de coronavírus. Segundo o governo, parte do dinheiro estará disponível a partir desta quinta-feira (9) para quem já está nos cadastros do governo e do dia 14 de abril para os demais. No total, serão pagos R$ 98 bilhões.

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, informou nesta terça-feira que em abril serão pagas 2 parcelas do benefício ―uma no dia 14 e outra entre os dias 27 e 30 de abril. A terceira parcela do auxílio emergencial será paga no fim de maio, entre os dias 26 a 29.

Deverão se cadastrar trabalhadores autônomos não inscritos no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico) e que não pagam nenhuma contribuição para o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). Quem não sabe se está no Cadastro Único pode conferir a situação ao digitar o número do Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) no aplicativo.

Houve um acordo com empresas de telefonia para que mesmo as pessoas sem crédito no celular possam baixar o aplicativo.

A Caixa lançou uma página na internet e uma central de atendimento telefônico (disque 111) para a retirada de dúvidas e a realização do cadastro.

Confira aqui os links: 

 

> Baixe o aplicativo para Android: https://play.google.com/store/apps/details?id=br.gov.caixa.auxilio

 

> Baixe o aplicativo para iOS (celulares Apple): https://apps.apple.com/br/app/caixa-aux%C3%ADlio-emergencial/id1506494331

 

> Para fazer a inscrição pelo site para receber o auxílio: https://auxilio.caixa.gov.br/#/inicio

 

Quem contribui para a Previdência como autônomo ou como microempreendedor individual (MEI) já teve o nome processado pela Caixa Econômica e...

Continue a ler no HuffPost