Avenida Niemeyer terá interdições entre os dias 14 e 22 de janeiro para limpeza de encostas

O Globo
·2 minuto de leitura
Gabriel de Paiva / Agência O Globo

RIO — A Prefeitura do Rio anunciou nesta quarta-feira que a Avenida Niemeyer será interditada entre os dias 14 e 22 de janeiro para a realização de um serviço de limpeza da encosta.

Em nota, a Secretaria Municpal de Infraestrutura, por meio da Geo-Rio, afirmou que se trata de "uma ação preventiva que ocorrerá sempre que os técnicos identificarem necessidade". Nos dias 14, 15, 18, 19, 21 e 22 de janeiro a interdição será de 22h às 5h. Já nos dias 16, 17 e 20 de janeiro o fechamento será mais cedo, de 9h às 17h.

Para moradores que residem no trecho compreendido entre os números 550 e 101, a entrada e saída da Avenida Niemeye será realizado pelo bairro de São Conrado, via Avenida Prefeito Mendes de Morais, através das seguintes vias principais: Túnel Acústico Rafael Mascarenhas, Túnel Zuzu Angel, Autoestrada Engenheiro Fernando Mac Dowell e Avenida Prefeito Mendes de Morais.

STJ negou interdição

Na terça-feira, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, negou pedido do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) para interditar a Avenida Niemeyer. O pedido ocorreu após a via teve acessos fechados no penúltimo dia de 2020, por conta de um deslizamento de terra.

No despacho, Martins afirma que o pedido formulado pelo MP-RJ tem como base notícia veiculada pela imprensa sobre deslizamentos de terras no local, mas não foi anexado "nenhum laudo técnico atual para embasar seu temor com relação a possíveis deslizamentos que possam causar graves prejuízos à segurança dos cidadãos".

Por outro lado, o ministro afirma que a prefeitura do Rio apresentou laudo técnico atual, de 5 de janeiro, elaborado pela Fundação Instituto de Geotécnica do Município do Rio de Janeiro, que indica "que não há nenhum risco aos transeuntes com a continuidade da liberação da Avenida Niemeyer".

A decisão de Martins vai de encontro com o entendimento do prefeito do Rio, Eduardo Paes. Ele disse que não via "necessidade de fechamento completo da via" e que "o Centro de Operações pode fazer um trabalho de contingência":

— O Rio é uma cidade com morros, montanhas. Qualquer via que esteja às margens de morros é óbvio qu tem risco de deslizamento. A Niemeyer é uma via delicada. Mal ou bem foi feito um conjunto de intervenções importantes ali nos últimos dois anos, que trouxe mais segurança, mas ela historicamente tem deslizamentos. O que a gente tem que ter é um monitoramento atento e permanente — afirmou em 2 de janeiro.