Avenida Paulista e Copacabana ficam vazias no Ano-Novo da pandemia

·2 minuto de leitura
Sao Paulo, SP, BRASIL, 31-12-2020:  Virada de ano na Av Paulista  durante pandemia do coronavirus com pouco publico , silenciosa e  sem fogos de artificios  (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress, COTIDIANO).
Sao Paulo, SP, BRASIL, 31-12-2020: Virada de ano na Av Paulista durante pandemia do coronavirus com pouco publico , silenciosa e sem fogos de artificios (Foto: Eduardo Knapp/Folhapress, COTIDIANO).

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Sem festas públicas e shows por causa das restrições provocadas pela pandemia do coronavírus, a virada do ano atraiu poucas pessoas para pontos tradicionais de comemoração no país.

Na avenida Paulista, em São Paulo, por exemplo, apenas grupos pequenos celebraram a virada. Um cenário muito diferente do ano passado, quando a chegada de 2020 foi marcada por shows de Lulu Santos, Anavitória, Marcos e Belutti, Chiclete com Banana e a escola de samba Rosas de Ouro para uma multidão.

Em Copacabana, no Rio, poucas pessoas foram para a praia por volta da meia-noite. Grupos isolados brindaram, casais trocaram beijos e algumas pessoas jogaram flores no mar.

A prefeitura fechou ruas do bairro e proibiu festas na orla para evitar a transmissão do coronavírus. Este ano a tradicional queima de fogos da praia foi cancelada.

No ano passado, a festa da virada reuniu quase três milhões de pessoas em Copacabana. A multidão acompanhou a queima de fogos durante 14 minutos e shows em quatro palcos instalados na praia.

Durante o último dia de 2020, órgãos fiscalizadores verificaram o cumprimento das medidas adotadas para conter o avanço da pandemia na cidade.

Na quarta-feira (30), cenas da areia de Ipanema lotada de jovens participando de uma festa que começou à tarde e varou a madrugada fizeram da praia carioca o novo símbolo do descaso com a segunda onda de Covid-19 no Brasil. Ipanema voltou a registrar pontos de aglomeração nesta quinta-feira.

Na Baixada Santista, litoral sul de São Paulo, as praias foram fechadas para evitar aglomerações e desestimular a viagem de turistas para a passagem de ano. O resultado foi um Ano-Novo também atípico, com poucas pessoas circulando pela orla e praias vazias.

O Brasil registrou 1.036 óbitos pelo novo coronavírus e 55.811 casos da doença nas últimas 24 horas. O país, assim, chega a 194.976 óbitos e a 7.675.781 de pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

Pelo terceiro dia seguido, foram registradas mais de mil mortes por dia. Foram também registrados mais de 55 mil casos da Covid nos últimos três dias.