Avião de Almir Sater, roubado em 'arrastão' no MS, pode ter sido usado pelo tráfico de drogas na Bolívia

Depois de um ano do "arrastão" que levou três aviões no aeroporto de Aquidauana (MS), um deles o do cantor e ator Almir Sater, o Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Dracco) da Polícia Civil trabalha com a hipótese de que a aeronave esteja na Bolívia e tenha sido usada pelo tráfico internacional de drogas. A investigação depende que o país vizinho autorize a polícia brasileira a realizar a perícia técnica para constatar se é ou não o avião do ator.

Procurada pelo GLOBO, a delegada responsável pelas investigações, Ana Cláudia Medina, informou que, em meados de 2022, foi realizada uma grande apreensão de aeronaves no aeroporto de Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia. O avião de Almir Sater pode estar entre os apreendidos.

— O local e a identificação dos responsáveis nós fizemos. Agora, falta a recuperação dos bens, em uma vertente de que estaria na Bolívia conforme a hipótese que levantamos na investigação. Então, através das fotos que recebemos, que de fato têm bastante semelhança com os modelos de avião roubados, iremos verificar. Junto a Brasília, já foram adotados todos os pedidos necessários para que a gente possa ter acesso a essas aeronaves apreendidas — explica a delegada, ressaltando que, como os aviões estão alterados, é preciso analisá-los. — O momento é de espera.

Relembre o caso

No dia 6 de setembro de 2021, por volta das 2h (horário local de MS), 18 criminosos renderam o vigia e roubaram três aviões do aeroporto de Aquidauana (MS), incluindo a aeronave stipo Sky Lane do cantor Almir Sater. Sem iluminação, obrigaram o funcionário a abastecer a aeronave e, antes da fuga, o deixaram amarrado. Ao todo, seis pessoas já foram presas pelo crime e um deles foi localizado na Bolívia. No decorrer das investigações, a polícia informou que "os bandidos estavam fortemente armados" e que falavam "língua espanhola e outros o idioma brasileiro".

Na época, Almir Sater falou sobre o roubo ao portal g1. O cantor e ator usava o avião em suas fazendas no Pantanal.

"Bens materiais a gente trabalha, mas espero que seja recuperado. Mas se não, vão os anéis e ficam os dedos".