Comitê de Inteligência dos EUA diz que não houve grampo na Trump Tower

Washington, 20 mar (EFE).- O presidente do Comitê de Inteligência da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Devin Nunes, garantiu nesta segunda-feira que "não houve escutas telefônicas na Trump Tower" durante a campanha eleitoral de 2016, mas que "podem ter ocorrido outros tipos de vigilância contra o presidente" Donald Trump.

Em seu discurso de abertura na primeira audiência pública realizada no Congresso sobre a suposta interferência russa nas eleições presidenciais americanas, Nunes negou categoricamente que a torre nova-iorquina tivesse sido alvo de um grampo telefônico, como afirmou Trump, ao acusar o ex-presidente Barack Obama de tê-lo ordenado.

O congressista Adam Schiff, o democrata de mais alta categoria do comitê, afirmou por sua vez que "os russos se intrometeram com sucesso" na democracia americana e advertiu que "eles vão fazê-lo de novo". EFE