Avião desaparecido pode ter se desviado para mar de Andaman, diz Malásia

Por Eveline Danubrata e Nguyen Phuong Linh

KUALA LUMPUR/PHUQUOC, Vietnã, 12 Mar (Reuters) - Um radar militar da Malásia detectou o que pode ter sido o avião desaparecido há quase cinco dias em uma área ao sul da ilha tailandesa de Phuket, a centenas de quilômetros da última posição conhecida da aeronave, informou o comandante da Força Aérea do país nesta quarta-feira.

Após uma série de declarações contraditórias, a mais recente revelação mostra que as autoridades continuam sem certezas, até mesmo de onde procurar o avião, e longe de conseguirem explicar o que aconteceu com o voo MH370 da Malaysia Airlines e as 239 pessoas a bordo.

O voo desapareceu dos radares civis pouco antes de 1h30 da madrugada de sábado, menos de uma hora depois de decolar de Kuala Lumpur com destino a Pequim, enquanto voava para nordeste pelo foz do Golfo da Tailândia. O que aconteceu depois é um dos mistérios mais intrigantes da história da aviação moderna.

O comandante da Força Aérea da Malásia, Rodzali Daud, disse em entrevista coletiva que uma aeronave foi registrada no radar militar às 2h15, a 320 quilômetros a noroeste da ilha de Penang, na costa oeste da Malásia.

Não foi confirmado se o avião não identificado era o voo MH370, mas a Malásia estava compartilhando os dados com as autoridades civis e militares internacionais, disse Rodzali.

"Nós ainda estamos trabalhando com os especialistas, é um registro sem identificação."

ESPERA ANGUSTIANTE

De acordo com os dados do Rodzali, se o registro for mesmo do avião desaparecido, a aeronave teria voado por 45 minutos e perdido apenas cerca de 5.000 pés (1.500 metros) de altitude nesse período.

Não foi informada a direção em que estava indo e ainda não há informações sobre o que aconteceu a bordo, prolongando a agonia de centenas de parentes das pessoas a bordo.

A posição a 320 quilômetros a noroeste de Penang, na parte norte do Estreito de Malaca, colocaria o avião aproximadamente ao sul de Phuket e a leste da ponta da província de Aceh, na Indonésia, e das ilhas de Nicobar, na Índia.

Indonésia e Tailândia disseram que suas forças militares não haviam detectado sinais incomuns de aeronaves em seu espaço aéreo.

A posição identificada fica a centenas de quilômetros a oeste do ponto de onde o Boeing 777 saiu das telas de controle de tráfego aéreo. A Malásia pediu à Índia para ajudar no rastreamento da aeronave, e aviões da guarda costeira de Nova Délhi aderiram à investigação.

Autoridades, no entanto, continuam a procurar em torno de dois locais -- na última posição conhecida do avião sobre o Golfo da Tailândia e ao redor do local de registro pelo radar onde o Estreito de Malaca encontra o mar de Andaman.

No total, o rastreamento se estende por mais de 93.000 quilômetros quadrados, uma área do tamanho da Hungria.

Até agora, não foram encontrados destroços do avião. Mais de uma dezena de países estão ajudando a Malásia na investigação, com 42 navios e 39 aeronaves utilizadas no rastreamento, disse o ministro dos Transportes, Hishammuddin Hussein.

A Malásia tem sido criticada por dar informações conflitantes e confusas sobre a última localização conhecida do avião.

O Vietnã reduziu brevemente as operações de busca ao largo da costa sul, dizendo que estava recebendo informações escassas e confusas da Malásia. O governo de Hanói informou mais tarde que a investigação --agora em seu quinto dia-- estava de volta com força total, estendendo-se à terra. A China também disse que sua força aérea vasculharia áreas no mar.

Carregando...

Siga o Yahoo