Avião indonésio cai após decolar com 62 pessoas a bordo

Stanley Widianto e Tabita Diela
·2 minuto de leitura

Por Stanley Widianto e Tabita Diela

JACARTA (Reuters) - Um avião da Sriwijaya Air caiu no mar neste sábado, minutos depois de decolar da capital da Indonésia, Jacarta, em um voo doméstico com 62 pessoas a bordo.

O Boeing 737-500, a caminho de Pontianak, em West Kalimantan, desapareceu das telas do radar após decolar pouco depois das 14h30 no horário local (4h30 em Brasília).

O ministro dos Transportes da Indonésia, Budi Karya, disse em entrevista coletiva que 62 pessoas estavam a bordo, incluindo 12 tripulantes. O site detik.com afirmou que o ministro havia dito que o avião caiu perto da Ilha de Laki, a cerca de 20 km do aeroporto.

A agência de resgate Basarnas disse em um comunicado que enviará uma equipe à área de Thousand Islands para ajudar na busca pelas vítimas "após a queda do Sriwijaya Air SJ 182".

Todos os que estavam a bordo eram indonésios, disse o comitê de segurança de transporte da Indonésia.

A Marinha da Indonésia localizou o local das aeronaves desaparecidas e os navios foram enviados para lá, disse um oficial da Marinha. As autoridades não disseram se acreditavam na existência de sobreviventes.

O presidente-executivo da companhia aérea indonésia Sriwijaya Air, Jefferson Irwin Jauwena, disse em entrevista coletiva que o avião estava em boas condições antes do vôo.

O Boeing 737-500 de quase 27 anos de idade era muito mais velho do que o modelo 737 MAX da Boeing. Um desse caiu em Jacarta no final de 2018, matando todas as 189 pessoas a bordo do voo da Lion Air. Os modelos 737 mais antigos são amplamente utilizados e não têm o sistema implicado na crise de segurança do MAX.

Uma porta-voz da Boeing disse: "Estamos cientes de relatos da mídia de Jacarta e estamos monitorando de perto a situação. Estamos trabalhando para reunir mais informações".

O serviço de rastreamento Flightradar24 disse que o avião decolou e atingiu 10.900 pés em quatro minutos. Em seguida, iniciou uma descida íngreme e parou de transmitir dados 21 segundos depois.

(Por Fransiska Nangoy, Agustinus Beo Da Costa, Tabita Diela, Gayatri Suroyo, Stanley Widianto e Tim Hepher)