Avô de homem que tentou atirar contra Cristina Kirchner matou esposa em 98

Brasileiro Fernando Montiel tentou matar Cristina Kirchner. (Foto: Reprodução)
Brasileiro Fernando Montiel tentou matar Cristina Kirchner. (Foto: Reprodução)

O avô do brasileiro Fernando Andrés Sabag Montiel, que foi preso por tentar matar a vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, matou a esposa, de 31 anos, em 1998, e depois se suicidou. O casal tinha três filhas.

O crime aconteceu em um apartamento, no Centro de São Paulo.

José Ernesto Montiel Ahumada tinha cerca de 30 anos a mais que a esposa, Rosimeire de Souza. De acordo com apuração do G1, Rose era gerente de um salão de beleza e o marido não concordava com ela trabalhar fora de casa

Um parente da vítima, que pediu para não ser identificado, contou ao G1 que Rose era muito bonita e que o marido tinha ciúmes doentio dela.

"Era uma menina maravilhosa, alegre, bacana, tinha as crianças pequenas", relatou.

Segundo o parente, José Ernesto anotava em uma agenda todos os passos da esposa. "Hoje, a Rose chegou e não me deu um beijo", registrou. “Hoje, a Rose falou que eu sou um velho”, “Hoje, a Rose falou que se eu não mudar nada, ela se separa de mim”.

O parente afirmou que chegou a tentar alertar Rose, mas ela não teria acredita do que o marido pudesse fazer algo contra ela.

José Ernesto atirou na esposa e ligou avisando esse parente do crime e pediu para que ele cuidasse das filhas.

Rose não era mãe de Fernando Ernesto Montiel Araya, o pai do jovem que tentou matar Cristina Kirchner.

Fernando Ernesto Montiel Araya

Fernando Ernesto Montiel Araya é chileno e morou por muitos anos no Brasil.

O rapaz tem histórico de envolvimento em crimes e ficou preso por um ano em Guarujá, no litoral de São Paulo.

Em 2020 a Polícia Federal abriu um processo de expulsão dele no Brasil por condenações por furtos, estelionato e falsificação de documento.

No dia 20 de agosto de 2021, o Diário Oficial publicou a decisão pela expulsão de Fernando do território nacional, ficando a efetivação da medida condicionada ao cumprimento da pena a que estiver sujeito no país ou à liberação pelo Poder Judiciário, com o impedimento de reingresso no Brasil pelo período de 24 anos, a partir da execução da medida".