Bárbara Borges detalha namoro com Iran Malfitano, 20 anos após 'Malhação': 'Me apaixonar aos 43 é ainda melhor'

Quando se conheceram nos bastidores de “Malhação”, lá em 2002, Bárbara Borges e Iran Malfitano jamais imaginaram que um dia viveriam uma linda história de amor, dessas digna de novela e com um final feliz. Vinte anos se passaram e os atores, hoje com 43 e 41 anos, respectivamente, se descobriram completamente apaixonados após se reencontrarem num reality show do qual a ex-paquita foi a campeã, saindo com o prêmio de R$ 1,5 milhão e... um novo namorado. O pedido oficial foi feito na na semana passada pelo ator, com direito a anel e muitas juras de amor.

“Fui completamente surpreendida pela vida. Me apaixonar aos 43 anos é ainda melhor que aos 20 por causa justamente da maturidade”, reflete a atriz. Na entrevista a seguir, Bárbara abre o coração e detalhe o primeiro beijo do casal e também responde sobre os planos para o futuro dos dois.

Você e o Iran se conheceram nos bastidores de “Malhação”. Rolou algum interesse de algumas das partes naquela época?

Não, nunca teve nada. Eu namorava tanto nessa época de “Malhação” como também quando fizemos a novela “Bela, a feia”, em 2009.

Quando você percebeu que estava apaixonada por ele?

Quando “A Fazenda” acabou é que eu fui percebendo que estava apaixonada, porque eu senti a falta dele e também eu via os vídeos de vários momentos nossos juntos. Eu sentia meu coração acelerar, eu via várias vezes… Quando eu vi o vídeo do nosso banho juntos no pós-festa, na véspera da final do programa, em que eu pergunto se ele ia sentir saudade de mim porque eu ia sentir saudade dele, e fiz um coração para ele no espelho, ali eu percebi que já estava muito apaixonada e nem tinha consciência disso (risos).

E como rolou? Quem deu o primeiro passo?

Demos esse passo juntos com um empurrãozinho do Shay (Haghbin, influenciador que participou do reality com eles). Fomos para casa dele no dia 21 de dezembro para um jantar e passamos a madrugada conversando, rindo, relembrando momentos do programa, e não, conseguíamos sair de perto um do outro. O Shay foi o cupido. Falava: “Acho que vocês têm que ficar juntos. Acho que vocês podiam se beijar...”. E a gente ria desconversando e, ao mesmo tempo, não soltávamos as mãos. Quando estávamos preparados para ir embora, já eram 6h da manhã, e o Shay insistiu tanto para dormirmos lá que nós dois ficamos. E, então, sozinhos no quarto do Shay, nosso primeiro beijo, enfim, aconteceu. E foi maravilhoso.

Como é a relação do Iran com os seus filhos, Martin e Theo? Eles aceitaram bem o namoro?

Os meus filhos adoraram o Iran, antes mesmo de saber que estávamos namorando. Eu já sabia que o Iran passaria o réveillon conosco e, na véspera, conversei com os meus filhos. Falei para eles: “O coração da mamãe está batendo pelo Iran. A mamãe está gostando dele, ele tá gostando da mamãe e a gente está namorando.” E aí, contei que ele viria para festa de ano novo, e as crianças perguntaram: “A Laura (filha do Iran com Nany Albano) também vem?”. É uma relação que está sendo construída com muito amor.

Você e o Iran já estão morando juntos? Há planos para isso?

Não estamos morando juntos, mas estamos muito juntos. Grudados (risos). Não planejamos nada. Estamos vivendo por inteiro o agora.

E casamento, vocês pensam em oficializar essa união com um festão?

Calma (risos). Estamos curtindo muito esse início de namoro. Namorar é tão gostoso. Um passo de cada vez.

Vocês vivem uma relação hoje mais madura. Como é se apaixonar aos 43 anos? É a mesma coisa que aos 20?

Fui completamente surpreendida pela vida. Me apaixonar aos 43 anos é ainda melhor que aos 20 por causa justamente da maturidade.

Vocês têm uma torcida gigante aqui fora e viraram um casal queridinho do público. Como você lida com toda essa repercussão do romance? Sente alguma pressão de ter que compartilhar tudo com os fãs?

Não sentimos pressão. Ficamos muito felizes com toda essa torcida e assédio que estamos recebendo. As pessoas ficam felizes de nos ver felizes. As pessoas nos contam o quanto torceram para que ficássemos juntos. É um amor tão grande que não tem preço. A gente compreende que o público se acostumou de nos acompanhar 24h por dia e que é natural quererem continuar acompanhando e sentir falta disso.

Mudando de assunto, você já pensou o que vai fazer com o prêmio de “A Fazenda”?

O meu prêmio é da minha família, penso só nos meus filhos quanto a isso. Não decidi nada ainda, até porque ainda não recebi. Mas o dinheiro será usado em prol dos meus filhos, continuo pensando da mesma forma que falei dentro do jogo: tudo por eles e para eles.

Em "A Fazenda", você foi acusada por uma participante de ser “Patricinha de Copacabana”. Chegou a se incomodar com isso? Como estava a sua vida financeira antes de entrar no reality show?

Sou moradora de Copacabana, mais do que isso: eu cresci em Copacabana. E eu vivo de maneira simples aqui, vou à praia com meus filhos, ando de metrô, caminho pelo comércio local, sempre falando com todo mundo. Tentaram me alfinetar com esse papo de patricinha, não me importo com o que falam, sendo assim não me incomodou. Quem vive da arte, e também trabalha na televisão, sabe que existem momentos de entressafras. Estava vivendo um momento assim. Passei algumas privações. A gente se adequa, se encolhe um pouco em alguns momentos, e depois consegue esticar as pernas novamente.

Quais os seus projetos para esse ano? Já tem trabalhos previstos como atriz?

As pessoas acham que quando saímos do reality temos todos os diretores nos chamando para novelas, não é? Não funciona assim não. Temos conversado com alguns produtos sobre trabalhos, temos feito reuniões sobre alguns projetos, estou entendendo também sobre as oportunidades deste mercado digital. Muitos projetos estão saindo do campo das ideias para reuniões e depois para produção. Em breve terei novidades para compartilhar com vocês.