Bélgica concede asilo político ao ex-presidente equatoriano Rafael Correa

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

O ex-presidente do Equador Rafael Correa recebeu a condição de refugiado na Bélgica, de acordo com uma cópia do certificado emitido pelo Comissariado Geral de Refugiados e Apátridas. O documento é datado de 15 de abril. A justiça equatoriana havia pedido a extradição do ex-chefe de Estado nesta sexta-feira (22).

Com informações de Esther Herrera, correspondente da RFI em Bruxelas

"É um alívio, porque quando te dão esta proteção, isso prova que você está sendo perseguido", declarou Correa à AFP. O ex-presidente mora na Bélgica desde 2017, quando deixou a presidência depois de dez anos no cargo (2007-2017). Sua esposa, Ann Malherbede, é de origem belga.

Em relação ao pedido de extradição assinado nesta sexta, o ex-presidente declarou que as autoridades equatorianas "vão passar vergonha novamente. Já tiveram o pedido negado várias vezes. Mas isso não importa para eles".

Em Quito, o Ministério das Relações Exteriores do Equador indicou em comunicado que não foi notificado da concessão do asilo político por nenhuma "fonte oficial".

De acordo com seu advogado, o processo de pedido de asilo foi iniciado em 2018, quando o ex-presidente começou a ter problemas legais, com denúncias de que estaria ligado a um suposto sequestro de um oponente na Colômbia. Em entrevista à RFI naquele mesmo ano, ele assegurou que o asilo político era uma de suas opções.

(Com informações da AFP)


Leia mais

Leia também:
Chile e Equador são os países latino-americanos mais abalados pela investigação nos paraísos fiscais
Casos de Covid-19 triplicam no Equador mesmo com 80% de vacinados
Aumento do fenômeno de dolinas gigantes preocupa Equador

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos