Suécia inicia julgamento de estupro transmitido ao vivo pelo Facebook

Copenhague, 24 mar (EFE).- Um tribunal de Uppsala, na Suécia, abriu nesta sexta-feira o julgamento de três homens de entre 18 e 24 anos acusados de participação em um estupro transmitido ao vivo no mês de janeiro em um grupo fechado da rede social Facebook.

Dois deles enfrentam uma acusação de estupro, com o agravante de que a vítima estava em situação especialmente vulnerável, sob o efeito de álcool.

Contra o outro indivíduo foram apresentadas acusações de colaboração e incitação ao estupro, filmar a cena e transmiti-la, além de calúnias graves por ofensas à vítima, segundo o texto de acusação.

A promotoria ainda não revelou que pena solicitará para eles, apenas que pedirá a expulsão dos dois que não são cidadãos suecos e a proibição de retornarem ao país escandinavo nos próximos 15 anos.

Os acusados negaram os crimes, mas os suspeitos do estupro admitiram que mantiveram relações sexuais com a mulher na noite de 23 de janeiro no apartamento em Uppsala, no qual foram detidos pela polícia, após as denúncias de pessoas de que viram um estupro em um grupo no Facebook que conta com mais de 60 mil membros.

O promotor convocará oito pessoas que viram os fatos pela internet a prestarem depoimento, e que sustentam que a mulher - que segundo as estimativas dos médicos legistas poderia apresentar uma taxa de 2,8 gramas de álcool por litro de sangue no momento do crime - parecia inconsciente.

No interrogatório policial, a mulher, de 30 anos, disse não se lembrar de ter mantido relações sexuais com os acusados, que estão em prisão preventiva há quase dois meses.

Entre as provas apresentadas pela acusação figuram fotos e fragmentos cinematográficos, mas não o vídeo completo. O promotor, no entanto, informou que espera que o Facebook possa facilitá-lo em breve.

O julgamento, que a partir de agora será a portas fechadas por segredo de sumário, continuará até 4 de abril. EFE