Búzios tem protesto da população e de empresários contra o lockdown determinado pela Justiça

O Globo
·2 minuto de leitura

RIO - A população, os empresários e os funcionários da área turística de Búzios, na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, realizam um protesto desde a manhã desta quinta-feira, dia 17, um dia após a Justiça determinar o lockdown na cidade em decorrência da pandemia da Covid-19. O Centro do município foi fechado durante a manifestação, com o trânsito fechado nos dois sentidos no trevo de acesso à Praia da Ferradura. Nos cartazes, manifestantes afirmam que "lockdown é igual a fome e pobreza" e que "todos precisam trabalhar". Uma pesquisa da Assessoria Fiscal da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) apontou que Búzios é a cidade do Estado onde a população mais dependeu do Auxílio Emergencial do Governo Federal: 58,61%.

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou que a Prefeitura de Búzios deverá restabelecer o fechamento das atividades na cidade da Região dos Lagos, em função do aumento expressivo no número de novos casos de Covid-19. A decisão se baseia num Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) celebrado com a Defensoria Pública em junho deste ano, e que, de acordo com o texto, não teria sido cumprido até o momento. A informação foi antecipada pelo blog da colunista Berenice Seara, no site do EXTRA.

“Em uma semana epidemiológica de outubro de 2020 tinha-se uma dúzia de novos casos para quase uma dúzia de leitos de UTI alegadamente disponíveis. Em uma semana epidemiológica de dezembro de 2020, às vésperas das comemorações de Natal e de réveillon, tem-se 453 (o magistrado somou apenas até o dia 15, terça-feira) novos casos para a mesma ‘quase-dúzia’ de leitos de UTI alegadamente disponíveis, com um aumento de 3.775% no número de novos casos em uma só semana, a serem amparados pelo mesmo sistema público de saúde municipal”, escreveu o juiz Raphael Baddini de Queiroz.

As medidas restritivas valerão, segundo a decisão judicial, até que a Prefeitura de Búzios garanta que os termos do TAC estão sendo cumpridos.

Segundo a decisão judicial, fica proibida, por prazo indeterminado, a entrada de visitantes em Búzios — somente morador ou quem trabalha na cidade será liberado. Também está proibida a entrada de veículos de transporte de passageiro por aplicativo, ônibus e vans intermunicipais e táxis. Não é permitido ficar nas praias, praças e demais locais públicos. Estão suspensos os eventos privados que gerem aglomeração, como a realização de cultos religiosos, festas, bailes, shows, feiras e similares. O comércio só poderá funcionar para delivery, exceto farmácias e mercados. Hotéis e pousadas não podem aceitar novos hóspedes a partir desta quinta-feira.