'Bahia é um lixo', afirma líder do PSL em discussão na Câmara

Marcelo Camargo/Agência Brasil

A sessão da última quarta-feira (22) na Câmara dos Deputados foi bastante agitada e marcada por um bate-boca envolvendo o líder do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, na Casa, Delegado Waldir (GO).

Em vídeo compartilhado pelo deputado federal Jorge Solla (PT-BA) em sua conta oficial no Twitter é possível ver o pesselista afirmando que “a Bahia é um lixo governado pelo PT”.

Ainda em seu tweet, Solla cita a deputada Dayane Pimentel, presidente do PSL na Bahia, questionado se a colega concorda com a postura de se partidário.

Leia também

Em resposta à polêmica, Dayane respondeu aos seus seguidores do Twitter que o Delegado se referia à representatividade política da Bahia na Câmara e não ao estado em si.

Sessão da Câmara foi encerrada antes de MP crucial para Bolsonaro ser votada

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), encerrou a sessão da Casa na noite de quarta-feira sem concluir a votação da Medida Provisória 870, que modifica a estrutura do governo e reduz o número de ministérios, após acirramento das tensões no plenário entre parlamentares governistas e o chamado centrão.

Maia transferiu a conclusão da votação da MP para esta quinta-feira por considerar “que o clima não ia ficar bom" se a votação continuasse na noite de quarta, de acordo com a Agência Câmara Notícias. Os deputados já aprovaram o texto-base da matéria, mas precisam analisar destaques..

O clima no plenário esquentou depois de um desabafo do líder do DEM, Elmar Nascimento (BA), que criticou as relações entre Planalto e Congresso, segundo a agência.

A MP 870, primeira medida editada pelo presidente Jair Bolsonaro, é encarada como prioritária e exigiu que o governo, com dificuldades no Congresso, desistisse da votação de uma outra medida para possibilitar sua votação.

A medida tem servido como um emblemático sintoma da insatisfação do Congresso com o Executivo. Quando ainda tramitava na comissão mista, teve o texto original alterado, o que forçou o governo a encarar algumas derrotas.

A principal derrota do governo foi a decisão dos deputados de colocar o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) sob o Ministério da Economia, contra o desejo do governo, que queria o órgão na pasta da Justiça, comandada por Sergio Moro.

O texto original da MP previa que o órgão ficasse submetido ao Ministério da Justiça, mas parlamentares da comissão mista, em um movimento encabeçado pelo chamado centrão, modificaram a proposta para colocar o conselho na pasta da Economia.

O ex-juiz da operação Lava Jato lamentou a medida. "Sobre a decisão da maioria da Câmara de retirar o Coaf do Ministério da Justiça, lamento o ocorrido. Faz parte do debate democrático. Agradeço aos 210 deputados que apoiaram o MJSP e o plano de fortalecimento do Coaf", afirmou Moro em nota.

Depois de aprovada na Câmara, a MP ainda precisará passar pelo Senado antes de 3 de junho, quando perderá a validade.

Com REUTERS