Baluarte da Mangueira 'fugiu de casa' para desfilar na Sapucaí: 'Isso aqui é minha cachaça '

·1 min de leitura

Para não perder a folia em 2022, houve quem "fugisse de casa". Foi o que fez Maria Helena Coutinho, de 87 anos, como ela brinca. A baluarte da Mangueira conta que "não aguentava mais ficar em casa" após mais o longo confinamento devido à Covid, e deu um jeito de descumprir uma ordem da filha, com quem ela vive:

- Minha filha não tinha me deixado sair de casa hoje. Ela não queria que eu viesse pra cá. Mas eu estava com dores no joelho depois de tanto tempo paralisada em casa por causa da pandemia - lamenta Maria Helena Coutinho, que há 81 anos desfila pela escola. - Desobedeci minha filha porque a carroça não pode passar na frente do burro. E quem é a carroça, no caso, é ela! Isso aqui é a minha cachaça. A emoção agora é enorme.

O último carro alegórico da Verde e Rosa, que neste ano homenageia Cartola, Jamelão e Mestre Delegado, promete emocionar o público ao reunir os mais antigos componentes da agremiação, como Aramis Santos, hoje com 91 anos, e que foi presidente da escola.

- Peguei Covid, foram dez dias no quarto. Graças a Deus, não precisei ir para o hospital. Só parei de tomar a minha cerveja mesmo - conta Gilda Moreira, presidente da Velha Guarda. - Foi um período muito triste. Comecei a desfilar com 5 anos, e hoje tenho 80. Nunca havia ficado tanto tempo longe. O sambista não pode ficar preso em casa.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos