Bancada evangélica lamenta prisão de ex-ministro do MEC: 'Dia muito triste'

A prisão preventiva do ex-ministro da Educação e pastor presbiteriano Milton Ribeiro, em operação da Polícia Federal deflagrada nesta quarta-feira, repercutiu mal entre os integrantes da bancada evangélica. Até agora, os líderes religiosos evitaram sair em defesa de Ribeiro e reconheceram que a ação representa uma mancha para o segmento, apesar de a considerarem um fato isolado.

O coordenador da Frente Parlamentar Evangélica, deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ) classificou a operação como "lamentável", mas a citou como prova de que o governo Bolsonaro não tolera a corrupção.

--- Lamentável, mas necessária para demonstrar que o atual governo não vai tolerar nenhuma prática ilícita, seja de quem for. Que sirva de exemplo para quem quer que seja, neste governo tudo é investigado e punido rapidamente --- afirmou o parlamentar. Ele também relembrou que desde que estourou o escândalo do MEC, em março, defendeu o afastamento e a investigação sobre a gestão de Ribeiro. E que, caso fosse considerado culpado, ele deveria ser "exemplarmente punido ao rigor da lei".

O deputado Marco Feliciano (PL-SP), que também faz parte da diretoria da Frente, afirmou que "hoje é um dia muito triste para a Igreja Evangélica de vertente Pentecostal". --- Nos resta apenas aguardar os desdobramentos --- afirmou ele em suas redes sociais. Como pastor itinerante, Feliciano já foi próximo do pastor Gilmar Santos, que foi alvo de mandados de buscas e apreensão nesta quarta-feira.

A operação desta quarta-feira foi autorizada pela 15ª Vara Federal do Distrito Federal e apura crimes como corrupção e tráfico de influência durante a gestão de Milton Ribeiro. A investigação teve início no Supremo Tribunal Federal, mas foi enviada à primeira instância depois que Ribeiro deixou o cargo de ministro da Educação do governo Bolsonaro.

No total, são cumpridos 13 mandados de busca e apreensão e cinco prisões preventivas nos estados de Goiás, São Paulo, Pará e Distrito Federal, além de medidas cautelares como a proibição do contato entre os investigados. Até o final da manhã, todas as cinco prisões foram efetivadas.

O prédio do MEC foi um dos locais de buscas em Brasília. Em nota, a pasta afirmou que vai colaborar com as investigações e que o governo federal "não compactua com qualquer ato irregular".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos