Bancadas da bala e evangélica vão tentar derrubar inelegibilidade de Daniel Silveira

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·1 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  20-04-2022, 18h00.  O deputado Daniel Silveira, que deve ser julgado hoje no STF e pode ser condenado e ficar inelegível, no Plenário da Câmara Foto: Gabriela Bilo /Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 20-04-2022, 18h00. O deputado Daniel Silveira, que deve ser julgado hoje no STF e pode ser condenado e ficar inelegível, no Plenário da Câmara Foto: Gabriela Bilo /Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Deputados das frentes parlamentares evangélica e da segurança pública se reúnem nesta terça-feira (26) em Brasília para buscar formas de derrubar a inelegibilidade de Daniel Silveira (PTB-RJ).

Na última sexta-feira (22), o presidente Jair Bolsonaro (PL) concedeu perdão após a condenação de Silveira pelo Supremo Tribunal Federal (STF), mas os elementos acessórios, como a inelegibilidade, a princípio não são afastados pelo ato.

O deputado Capitão Augusto (PL-SP), que articula a estratégia, conta que a intenção é conseguir que a Frente Parlamentar Agropecuária também se junte ao grupo.

"A gente tem que fazer alguma coisa para proteger esse pessoal. Não é só o Daniel Silveira. Tem blogueiros e outros políticos, todos da direita, sofrendo com o que a gente considera excesso do STF", avalia.

Um parlamentar ouvido em reserva afirma que será difícil encontrar uma solução jurídica. A mais plausível seria alterar a Lei da Ficha Limpa, que prevê a inelegibilidade após condenação por órgãos colegiados. Por esse caminho, no entanto, políticos também da esquerda ou condenados pela Lava Jato acabariam sendo beneficiados, além de haver dificuldade para se mexer nessa legislação em ano eleitoral.

"Vamos encontrar a melhor forma de fazer, sem beneficiar quem é bandido e quem é corrupto", diz Capitão Augusto.

Integrantes desse grupo acreditam que um dos caminhos poderia ser apoiar financeiramente o deputado para buscar uma solução jurídica. Com melhores advogados, avaliam, ele poderia tentar anular a condenação, sem precisar trazer mais essa questão para o Congresso.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos