Banco Central anuncia leilão de mais US$ 1 bilhão à vista; mercado compra US$ 465 milhões

Gabriel Shinohara
Na última reunião do Copom, o Banco Central sinalizou uma interrupção no ciclo de cortes nos juros

BRASÍLIA - O Banco Central (BC) decidiu atuar no câmbio e vender mais US$ 1 bilhão à vista, nesta segunda-feira. O leilão resultou na compra de US$ 465 milhões do total ofertado pelo mercado. Com o anúncio, a autoridade monetária colocou US$ 4 bilhões para venda no mercado só nesta segunda-feira. Pela manhã, o BC havia anunciado a venda de US$ 3 bilhões também no mercado à vista.

O dólar chegou a R$ 4,79, mas recuou para R$ 4,74 depois do BC atuar no mercado pela primeira vez. Os mercados internacionais estão sendo afetados pela queda nos preços do petróleo internacional e pelos efeitos da crise do coronavírus.

Na última sexta-feira, o BC tinha anunciado a venda de US$ 1 bilhão de dólares à vista, mas decidiu aumentar o valor para US$ 3 bilhões. É a primeira vez neste ano que o Banco Central escolheu usar o instrumento. Até então, o BC escolhia atuar no mercado de dólar futuro por meio de contratos de swaps cambiais.

No contrato de swap cambial, o BC propõe a troca de riscos com o mercado. Nesse caso, o BC aceita pagar a diferença do valor do dólar no período do contrato e a empresa ou investidor paga a rentabilidade acumulada da taxa básica de juros, a Selic, do mesmo período.

Dessa maneira, a empresa ou o investidor ficam protegidos da variação do dólar e, em tese, não precisam comprar a moeda, o que aumentaria seu valor. Na venda de dólares à vista, o Banco Central injeta no mercado valores das reservas internacionais que mantêm.