Banco Central da Rússia mantém juros, com inflação alta e fraco crescimento

Por Jason Bush e Alexander Winning MOSCOU (Reuters) - O banco central da Rússia deixou sua principal taxa de juros inalterada em 11 por cento nesta sexta-feira, pela segunda vez consecutiva, destacando os riscos inflacionários acima das preocupações com a estagnação econômica. A Rússia encara dilemas dolorosos de política monetária enquanto sofre, simultaneamente, com inflação acima de 15 por cento e com economia em recessão de 4 por cento este ano, com perspectivas escassas de recuperação à vista. Os preços baixos do petróleo e as sanções ocidentais sobre as ações russas na Ucrânia atingiram a economia do país, causando queda do rublo que disparou a inflação. Ao explicar sua decisão, o banco central informou em comunicado que está "reconhecendo riscos persistentes e substanciais de inflação." O banco também informou que suas próximas decisões serão baseadas no equilíbrio entre os riscos inflacionários e de desaceleração econômica, explicações já usadas anteriormente para sinalizar a intenção de deixar opções em aberto.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos