Banco de criptomoeda da Genesis pede recuperação judicial

WILMINGTON, Estados Unidos (Reuters) - O banco de criptomoedas da Genesis deu entrada na quinta-feira em um pedido de proteção judicial contra credores, engrossando a lista de companhias de moedas digitais que entraram em colapso e que tem nomes como FTX e BlockFi.

A Genesis Global Capital, um dos maiores bancos de criptomoedas, congelou retiradas de clientes em 16 de novembro, depois que a FTX chocou o mercado financeiro com um pedido de recuperação judicial, alimentando especulações de que outras empresas do setor poderiam implodir. O banco é controlado pela empresa de capital de risco Digital Currency Group (DCG).

A unidade de empréstimos do Genesis declarou ativos e passivos de entre 1 bilhão e 10 bilhões de dólares e estimou ter mais de 100 mil credores, segundo o pedido de recuperação judicial.

A Genesis Global Holdco, controladora do Genesis Global Capital, também pediu proteção contra credores, junto com a Genesis Asia Pacific.

O Genesis atuava como corretora de ativos digitais para instituições financeiras como fundos de hedge e gestores de ativos e tinha quase 3 bilhões de dólares em empréstimos totais ativos no terceiro trimestre ante 11,1 bilhões um ano antes.

No ano passado, o Genesis concedeu 130,6 bilhões de dólares em empréstimos de criptomoedas e negociou 116,5 bilhões em ativos, segundo seu site.

Os dois maiores clientes de financiamentos do banco eram o Three Arrows Capital, um fundo de hedge sediado em Cingapura, e a Alameda Research, uma trading com laços estreitos com a FTX, afirmou uma fonte à Reuters. Ambos estão em recuperação judicial.