Banco Mundial suspende ajuda ao Afeganistão, 'muito preocupado' com as mulheres

·1 minuto de leitura
Afegãos se aglomeram perto do aeroporto de Cabul

O Banco Mundial anunciou nesta terça-feira (24) que suspendeu a ajuda ao Afeganistão após a tomada do poder pelos talibãs, embora explore a forma de continuar "comprometido" para "apoiar o povo afegão".

"Suspendemos as transferências (financeiras) no âmbito das nossas operações no Afeganistão e vigiamos e avaliamos a situação de perto", explicou à AFP uma porta-voz da entidade. "Estamos profundamente preocupados com a situação no Afeganistão e seu impacto nas perspectivas de desenvolvimento do país, em particular para as mulheres", acrescentou.

A porta-voz não informou a quantidade de envios programados antes de o Talibã assumir o poder há menos de dez dias.

Até então, o Banco Mundial tinha cerca de 20 projetos de desenvolvimento no Afeganistão. Desde 2002, forneceu cerca de US$ 5,3 bilhões ao país, principalmente como subsídios.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) anunciou em 18 de agosto que estava suspendendo a ajuda ao Afeganistão.

"Como sempre, o FMI é guiado pelas opiniões da comunidade internacional", declarou um porta-voz à AFP na época.

“Há atualmente uma falta de clareza na comunidade internacional quanto ao reconhecimento de um governo no Afeganistão, em consequência do qual o país não poderá acessar os DESs (Direitos Especiais de Saque) ou outros recursos do FMI”, acrescentou.

O FMI deveria liberar uma parcela final da ajuda a Cabul, no âmbito de um programa aprovado em 6 de novembro de 2020, no valor total de US$ 370 milhões.

Dt/nth/mr/lm/mvv/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos