Bancos e Petrobras têm forte alta e fazem Bolsa encostar nos 102 mil pontos

JÚLIA MOURA
·5 minuto de leitura
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL - 09-05-2015 - BM & F Bovespa Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Diego Padgurschi /Folhapress)
*ARQUIVO* SÃO PAULO, SP, BRASIL - 09-05-2015 - BM & F Bovespa Bolsa de Valores de São Paulo. (Foto: Diego Padgurschi /Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Bolsa de Valores brasileira repetiu o pregão de terça-feira (20) nesta quinta (22). Bancos e Petrobras dispararam com o otimismo do mercado em torno dos resultados do terceiro trimestre e levaram o Ibovespa a operar acima dos 102 mil pontos durante o pregão.

No fechamento, o índice acionário perdeu força, com alta de 1,35%, a 101.917 pontos, maior patamar desde 1º de setembro.

O dólar caiu 0,36%, a R$ 5,5950, com o viés positivo no exterior. O turismo está a R$ 5,743.

Na sessão, o Itaú Unibanco saltou 5,14%, a R$ 25,77, e Bradesco disparou 4,6%, a R$ 22,72, Santander avançou 4,16%, a R$ 33,30, e Banco do Brasil subiu 4,34%, a R$ 33,65.

Investidores esperam fortes resultados destas instituições entre julho e setembro. Na próxima semana serão divulgados os números de Bradesco, Santander Brasil, Petrobras e Vale.

Também há a percepções de que os preços das ações dos bancos estão atrativos, pois não acompanharam a recuperação da Bolsa, com queda de cerca de 30% no ano. Já o Ibovespa recua cerca de 13%.

As ações preferenciais (mais negociadas) da Petrobras fecharam com elevação de 3,37%, a R$ 20,84, e as ordinárias (com direuito a voto) subiram 3,17%, a R$ 20,81. A empresa também foi beneficiada pela recuperação dos preços do petróleo no exterior. O barril de Brent (referência internacional) sobe 1,46%, a US$ 42,34 (R$ 236,89) ao fim do pregão.

Em Nova York, os índices S&P 500 e Dow Jones subiram 0,54FF% cada um e Nasdaq teve alta de 0,1%.

Investidores esperam um desfecho positivo nas negociações sobre mais estímulos fiscais nos Estados Unidos.

A presidente da Câmara dos Deputados americana, Nancy Pelosi, disse nesta quinta que os negociadores estavam progredindo nas tratativas com o governo de Donald Trump para outra rodada de ajuda financeira em meio à pandemia de Covid-19 e que o texto legislativo poderia ser elaborado "em breve".

Pelosi, o principal nome democrata no Congresso, deve retomar as negociações com o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, ainda nesta quinta, enquanto os dois lados tentam chegar a um acordo sobre um pacote de US$ 2 trilhões (R$ 11,2 trilhões) antes das eleições presidencial e parlamentar de 3 de novembro.

"Estou satisfeira (com) a posição em que estamos agora. Está próximo, está próximo. E a pergunta é: onde estará o presidente daqui para frente? Ele já tomou várias posições", disse Pelosi a repórteres.

Trump - que é republicado e recentemente pediu mais estímulo enquanto segue atrás do candidato democrata à Presidência, Joe Biden, em pesquisas nacionais de intenção de voto - pareceu lançar dúvidas sobre um acordo na quarta ao dizer que não via nenhuma maneira de os democratas concordarem com um pacote de estímulo.

"O foco principal deles é socorrer cidades e estados democratas mal administrados (e com alto índice de criminalidade)", escreveu Trump no Twitter.

Mas na manhã desta quinta, a porta-voz da Casa Branca Alyssa Farah disse à Fox Business Network: "Este é realmente o mais otimista que já estivemos sobre um acordo."

Pelosi disse que os dois lados estão reduzindo as diferenças sobre como atacar a pandemia e também acerca da ajuda aos governos estaduais e locais, fator este que tem sido um grande obstáculo.

"Estamos chegando mais perto do que precisamos fazer: acabar com o vírus, honrar nossos heróis, nossos governos estaduais e locais", disse Pelosi.

Ela disse que as negociações também se concentraram em créditos fiscais para ajudar os americanos de baixa renda duramente atingidos pela pandemia, que matou mais de 221 mil pessoas e deixou milhões sem emprego.

Mas um acordo abrangente enfrenta resistência dos republicanos do Senado, que têm expressado preocupação com o crescente déficit federal.

"O projeto de lei sobre isso provavelmente será maior do que eu gostaria, e estou muito desconfortável com isso. Acho que o preço de não fazer algo é ainda mais alto", disse o senador republicano Marco Rubio à CNBC.

O líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, o principal republicano no Congresso, também não quer levar um grande projeto de lei ao plenário do Senado antes da eleição, já que se concentra em tentar confirmar a indicada para a Suprema Corte, Amy Coney Barrett.

Outro destaque positivo desta sessão foi a Weg, que avançou 4,73%, a R$ 82,11,após cair mais de 6% na véspera, tendo de pano de fundo resultado robusto no terceiro trimestre.

Em teleconferência sobre o balanço nesta quinta, executivos da Weg afirmaram ver uma retomada forte dos negócios em todos os segmentos de equipamentos de ciclo curto no Brasil, atingindo níveis pré-pandemia no terceiro trimestre, mas no exterior a retomada é esperada para 2021.

Dentre as maiores quedas do Ibovespa, a B2W caiu 2,3%, a R$ 87,10. No setor, Magazine Luiza recuou 0,46%, a R$ 26,10, e Via Varejo subiu 0,20%, a R$ 20,17. No ano, esses papéis ainda contabilizam valorização de 39,3%, 119,28% e 80,57%, respectivamente.

Já a Qualicorp subiu 0,38%, a R$ 34,50, revertendo a queda na abertura do pregão, quando refletiu movimentos de realização de lucros após alta relevante na véspera. Mais cedo a empresa informou que sua sede e outros locais foram alvo de busca e apreensão de documentos pela Polícia Federal no âmbito da Operação Triuno, que entre outros pontos investiga sonegação tributária e evasão de divisas.

IPO DA IMAGINARIUM

Na quarta (21), a varejista Uni.co, dona das marcas Puket, Imaginarium e Mind, pediu para entrar na Bolsa brasileira.

Com o IPO (oferta pública inicial, na sigla em inglês), coordenado pela XP Investimentos, a empresa visa comprar novos negócios, investir em tecnologia e reforçar o capital de giro.

Controlada desde 2012 pela gestora Squadra Investimentos, que será vendedora na oferta secundária, a Uni.co tem 445 lojas em todos os estados do país e no Distrito Federal, além de canais digitais de vendas.

Nos primeiros nove meses de 2020, a empresa teve receita líquida ajustada de R$ 103,7 milhões, queda de 37,3% ante mesma etapa do ano passado, num período afetado pelos efeitos da pandemia da Covid-19. Nos mesmos períodos de comparação, o lucro bruto ajustado encolheu 35%, para R$ 53,3 milhões.