Bandeira arco-íris ganha novas cores na Parada com diversidade LGBTQIA+

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Segurança, acolhimento, pertencimento. As palavras escolhidas por participantes da 26ª Parada do Orgulho LGBT+ de São Paulo para definir a sensação de estar no evento costumam ser uma variação dessas três.

Mas isso está longe de significar que a multidão na avenida Paulista neste domingo (19) era homogênea. Assim como a sigla que designa o público do evento cresceu e já tem sete letras, a população LGBTQIA+ que ocupava o cartão postal de São Paulo tinha histórias, demandas e bandeiras próprias. Literalmente.

Além da tradicional bandeira do arco-íris, tomavam as adjacências do Masp os emblemas azul claro, rosa e branco, das pessoas trans; o rosa, amarelo e azul das pansexuais; e o azul, rosa e lilás, dos bissexuais, entre outros.

A esses públicos se somavam gays, lésbicas, assexuais, queers, pessoas não binárias, entre outras, sem falar nos que estavam ali para apoiar um filho ou um amigo ou apenas se divertir.

Mesmo dentro desses grupos, a diversidade era visível. "Sou uma mina trans não binária", definiu-se a cantora Veronica Scott, 29. "Me entendo como pessoa não binária, mas com

maior inclinação feminina", disse.

Não era todo mundo que achava que o rótulo importava. "Não me identifico com letra nenhuma, o que me importa é o amor", comentou Fernando Ramalho de Almeida, 38, com asas de anjo vermelhas.

Mas também houve quem defendesse que sim, identidade importa, e a estudante Grazielly Barros era uma delas. "Quando a gente se conhece, a gente se sente mais segura e confiante", afirmou.

"Viemos gritar para todo mundo que as nossas crianças existem"

Thamirys Nunes, 33

ativista pelos direitos das crianças trans

"Viemos pedir respeito para todos"

Lucca Santos Simões, 11

"Conheci a Thamirys em um grupo que tem mais de 200 mães de crianças trans e fiz questão de vir com o Lucca à Parada"

Carolina Moraes Santos, 39

fonoaudióloga e mãe do Lucca, 11

"Importante representar quem a gente é e gritar Fora Bolsonaro, que destila ódio contra o público LGBT"

Reginaldo Luques Gomes, 30

funcionário de supermercado

"Faço a festa Filhas da Chiquita, no Círio de Nazaré, e este ano nosso tema é a Fênix, o renascimento. É fundamental retomar a Parada após dois anos de retrocesso político e cultural"

Eloi Iglesias, 67

artista de Belém (PA)

"Pelo menos uma vez por ano podemos nos sentir seguros e confortáveis na avenida Paulista estando da forma como queremos estar"

Lucas Scudellari, 27

modelo e ator pornô

"Vir à Parada é se libertar, mostrar quem você é sem medo do preconceito"

João Vitor Souza Roberto, 26

designer de interiores

"Somos amigos e viemos de Rondônia, cada um de uma cidade. Estar aqui é uma forma de comungar nossa amizade"

Cristiam Velozo, 31

professor universitário

"Tem gente que diz que a Parada se despolitizou, mas a gente precisa lembrar que festa também é luta"

Luiz Fujii, 27

professor universitário

"Sou queer. Este evento veio para nos libertar, em um ano em que nosso voto vai definir nosso futuro"

Leônidas Ferraz, 36

"Primeiro me assumi bi, depois percebi que não sentia mais atração por homem. Demorei para ser aceita pela minha família e para me aceitar. Mas algumas coisas estão mudando. Na primeira Parada que vim, tive que rasgar a bandeira, hoje saí de casa com a bandeira e minha mãe não disse nada"

Laura Gomes da Silva, 19

recém-formada no ensino médio

"Me assumi gay na pandemia e desde então quis ocupar os espaços, conhecer os ativistas e pessoas iguais a mim"

João Vitor Leme Brito de Oliveira, 21

estudante de direito

"Precisamos expressar nossa identidade no voto. Hoje não temos alguém que represente a comunidade"

Fernando Aragão, 24

trabalha na cozinha de um restaurante na Liberdade

"Depois de dois anos, apesar de todas as dificuldades, a gente tem que celebrar o amor e a paz, independente de cor, gênero ou classe"

Diego Silva Oliveira, 34

enfermeiro

"Vim para me divertir, adoro a liberdade da Parada"

Sheila Chaves, 30

dona de casa

""Este é o momento em que a gente pode ser quem a gente é sem ter medo"

Lara Lanai, 23

vendedora

"Amo pessoas, não gêneros. Sempre fui assim, desde criança, mas foi quando conheci o que era ser pansexual que eu me identifiquei. E é isso que é a Parada: amor é amor!

Bianca Roberta, 21

"Sou pansexual. Desde pequena, frequento a parada com a minha mãe. Ela me inspira e me apoia desde sempre"

Mileine de Souza, 16

pansexual

"Muitos me leem como mulher, e isso me incomoda. Sou assexual. Faz alguns meses que passei a me questionar e pensar nisso. Foi fundamental, porque quando a gente se conhece, a gente se sente mais segura e confiante"

Grazielly de Souza Barros, 22

estudante

"Quando me assumi bi, aos 21 anos, foi muito difícil. Não tive família que me aceitou e vejo como isso é importante. Por isso, estou aqui como mãe de homem trans"

Glaucia Aparecida Salles, 29

dona de sex shop

"Vim aqui para representar minha comunidade"

Thaylor Henrique Nascimento Salles, ou MC TH, 18

trans, filho de Glaucia

"Primeiro eu quis esperar fazer 18 anos pra vir à Parada. Aí eu fiz, mas minha noiva não. Quando ela completou 18 anos, era pandemia, então só conseguimos vir agora. A gente precisa mostrar para as pessoas que existimos e somos tão iguais quanto as outras. As pessoas não enxergam isso"

Ana Cristina Ramos da Silva e Silva, 23

professora de educação física

"Sou uma mina trans não binária. Me entendo como pessoa não binária, mas com maior inclinação feminina. Sendo filha de pastora, o começo foi muito difícil. É fundamental mostrar para as pessoas que amor é simplesmente amor"

​Veronica Scott, 29

cantora trans

"Viemos com o coletivo da Poli [Escola Politécnica da USP], que reúne umas 200 pessoas, como uma família. Por um tempo, essa família foi mais próxima do que a nossa própria, para muitos de nós. Com a pandemia, nos reaproximamos também das nossas famílias, mas mantivemos esse laço. Como tiktokers, viemos mostrar também a Parada para as pessoas que ainda não se assumiram"

Gabriel Bernardes Crepaldi, 24

estudante de engenharia da USP

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos