Banhistas desrespeitam medidas da prefeitura e lotam praias neste domingo de sol no Rio

Priscilla Aguiar Litwak e Brenno Carvalho
·4 minuto de leitura

A proibição da permanência na areia das praias e do banho de mar no final de semana não foi suficiente para impedir que a praia, em diferentes bairros do Rio, ficasse lotada neste domingo. O sábado também teve registro de orlas cheias.

Os cariocas aproveitaram o domingo de tempo firme e de sol para relaxar nas areias e no mar, desrespeitando o novo decreto da prefeitura. No fim da manhã, a Praia da Barra estava lotada, com vários pontos de aglomeração da altura do Posto 4 ao Posto 7. Também havia várias pessoas fazendo exercício, como um grupo que jogava vôlei. A atividade física, desde que não haja aglomeração é permitida. Mas também havia banhistas em Ipanema, Leblon e no Arpoador. Porém, no Arpoador, devido à ressaca, a maior parte das pessoas estava no calçadão. No mar, muitos surfistas aproveitaram as ondas grandes.

No início da tarde, em Copacabana, parecia um domingo de sol de verão sem pandemia. A areia e o mar estavam lotados, principalmente próximo ao forte. Muita gente fazendo atividade física, mas sobretudo tomando banho de sol e de mar. No Leme, também haviam vários pontos de aglomeração, como na altura da mureta do Leme.

A equipe de reportagem percorreu, entre o fim da manhã e início da tarde deste domingo, do Posto 4 da Barra ao Leme e não encontrou nenhuma fiscalização.

O secretário Municipal de Ordem Pública do Rio, Brenno Carnevale afirmou que as fiscalizações continuam acontecendo, com mais de mil autuações até a manhã deste domingo.

O secretário disse ainda que não tem registro das grandes aglomerações típicas das praias do Rio de Janeiro em dias de sol, mas admitiu que de fato existe o descumprimentos de alguns banhistas.

— Estamos empregando nossa capacidade máxima, mesmo com um efetivo que não é o ideal, e seguiremos fiscalizando através de patrulhamento da Guarda Municipal, comboios da SEOP com Vigilância Sanitária e atendimentos aos chamados do 1746 — diz o secretário.

A Secretaria de Ordem Pública informou ainda que em conjunto com a Guarda Municipal atua de forma dinâmica e itinerante na maior parte de suas ações de fiscalização, é que algumas localidades específicas há a ocupação prévia para minimizar as chances de aglomerações e desrespeito ao decreto.

O Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro trabalha há mais de 48 horas nas buscas pelo tenente Ítalo J. P. dos Santos, de 30 anos. O militar, lotado no 2º Grupamento Marítimo da Barra da Tijuca (2º GMar), desapareceu durante treinamento do Curso de Salvamento no Mar (CSMar), na manhã de sexta-feira (23.04), na altura do Posto 2. A operação ininterrupta de resgate conta com centenas de bombeiros, do Rio e de outros municípios, com apoio de motos-aquáticas, embarcações, quadriciclos, helicópteros e drones.

— Não vamos descansar enquanto não encontrarmos o Ítalo. Os trabalhos seguem 24 horas por dia, com empenho de toda a nossa estrutura e a dedicação dos nossos guarda-vidas e mergulhadores — afirmou o secretário de Estado de Defesa Civil e comandante-geral do Corpo de Bombeiros RJ, coronel Leandro Monteiro.

A corporação informou que está dando todo o apoio à família do militar, por meio da Diretoria de Assistência Social (DAS).

— Os psicólogos do CBMERJ estão acompanhando os parentes. Falei pessoalmente com eles. O que aconteceu foi uma fatalidade. O Ítalo é um militar experiente, com formação diferenciada na nossa Academia, oito anos de corporação e triatleta. No momento do acidente, ele participava de uma bateria com outros alunos, usava equipamento de segurança e estava sob supervisão de monitores, mergulhadores e motos-aquáticas. Ele submergiu e não voltou à superfície. Desde então, todos os esforços estão sendo feitos para encontrá-lo. Não vamos parar — reforçou o coronel Leandro Monteiro.

A Prefeitura do Rio informou que registrou 1.266 autuações - entre multas e interdições a estabelecimentos, infrações sanitárias, multas de trânsito, reboques e apreensões de mercadorias – no sábado, dia 24; primeiro dia de vigência das medidas de restrição definidas pelo decreto nº 48.787. Ao todo, os fiscais multaram 87 bares, restaurantes e ambulantes e fecharam 26 estabelecimentos flagrados descumprindo o decreto. O balanço deste domingo só será divulgado amanhã.

Publicado no Diário Oficial de sexta, o novo decreto (nº 48.787) alterou algumas medidas de restrição na cidade e tem vigência até o dia 3 de maio. De acordo com o novo regramento, as atividades não-essenciais, como restaurantes, museus, cinema, teatro, clubes esportivos, casas de festas e outros, poderão funcionar até as 22h. Após este horário, para restaurantes e afins, o funcionamento será permitido apenas nas modalidades de drive-thru e take away, sem atendimento presencial.

As áreas de lazer na orla de Copacabana, Leblon e Ipanema seguem fechadas. Já as atividades essenciais, como supermercados, farmácias, hospitais e outros, podem funcionar sem horários definidos. A permanência de pessoas nas areias das praias está liberada durante a semana, porém, segue proibida aos sábados, domingos e feriados. Também continua proibida a realização de eventos de qualquer natureza, festas, rodas de samba, em áreas públicas e particulares; bem como o funcionamento de boates, danceterias, salões de dança e casas de espetáculo.