‘Banksy russo’ é perseguido por desenhar murais contra invasão da Ucrânia

Em um dia recente, um artista de 84 anos estava em frente a um dos muitos murais que pintou em Borovsky, sua cidade natal, quando um grupo de jovens mulheres chegou. Tinham vindo de Moscou, a cerca de cem quilômetros, apenas para ver seu trabalho, e estavam animadas com o encontro.

— Isso é tão legal! O senhor é a principal atração da cidade — disse uma delas.

Filme de Zeffirelli: estrelas de 'Romeu e Julieta' processam estúdio por cena de nudez quando eram adolescentes

Depois de boicote: Globo de Ouro confirma presença de nomes como Ana de Armas e Billy Porter na próxima cerimônia

O artista, Vladimir Ovchinnikov, há muito tempo cobre os muros da cidade com cenas pastoris e retratos da vida cotidiana, tendo conquistado a reputação de “Banksy de Borovsk”. Mas é sua arte política que agora está chamando a atenção. Num momento em que a dissidência está sendo esmagada na Rússia inteira, Ovchinnikov pinta murais que protestam contra a invasão da Ucrânia.

Ele não aprecia a comparação com Banksy. Ao contrário do misterioso artista de rua britânico, Ovchinnikov não esconde sua identidade. E, se um grafite engajado de Banksy normalmente é um sucesso, os murais de Ovchinnikov nem sempre são bem-vindos — pelo menos, não pelas autoridades. Ele resume:

— Eu desenho pombas; eles pintam sobre elas.

Prêmio César: 'Oscar francês' bane investigados por violência sexual da cerimônia

Ovchinnikov é um raro dissidente na Rússia, onde as críticas públicas à guerra podem levar à prisão ou ao exílio. Ele disse que sua idade e seu histórico familiar oferecem um mínimo de proteção, mesmo tendo sido multado, interrogado pelas autoridades e atacado com bolas de neve.

— Sou diferente da maioria das pessoas: tenho quase 85 anos e nada a perder — diz o artista.

Por seu serviço como consciência pública da cidade, Ovchinnikov entrou em conflito repetidamente com as autoridades locais. Muitos de seus murais são cobertos em um período de dias ou semanas.

Em frente ao comissariado militar, as paredes cor de creme na Rua Lênin têm manchas de tinta branca espalhadas ao acaso. Ovchinnikov contou que, por baixo, há a pintura de uma menina vestindo o azul e o amarelo da Ucrânia enquanto três mísseis voam sobre sua cabeça. Abaixo, em letras grandes e em negrito: “Parem com isso!!!”

Depois de esconder a pintura, as autoridades voltaram sua atenção para Ovchinnikov, multando-o em 35 mil rublos (cerca de US$ 2.600), e acusando-o de “desacreditar as forças armadas russas”. Seus apoiadores enviaram doações para ajudá-lo a pagar a multa.

O artista argumenta:

— Não me arrependo do que fiz. Não sinto culpa. Tive de fazê-lo.