Bar Jobi; lembranças de um ícone do Baixo Leblon

·1 minuto de leitura
62340119_RI Rio de Janeiro RJ - 26-10-2016 Os bares que ainda tem paineis de Nilton Bravo Jobi L.jpg

Com o nome emprestado do condomínio que o abriga, o Jobi abriu as portas em 1956, cercado pelos muitos canteiros de obras de um Leblon em construção. O boteco, no início, era movimentado pelo preparo de PFs para os operários das redondezas. A partir dos anos 60 do século passado, o perfil (da casa e do bairro) começou a mudar. Parte dessa trajetória é lembrada por Manuel Rocha, sócio do irmão Narciso e filho do fundador Adelino, em depoimento para novo episódio da série Sabor de história, produzida para o Rio Gastronomia 10 anos. A família portuguesa com certeza conquistou freguesia fiel com cardápio de petiscos da terrinha, a exemplo do bolinho de bacalhau e do polvo ao vinagrete feito com especiarias que só se encontram por lá. Tudo isso regado a chope, muito chope, o combustível da casa que tornou-se um dos ícones da boemia no Baixo Leblon.Angu do Gomes:um clássico da gastronomia de rua - Um cliente que esteve aqui há dez anos vai chegar e vai comer a mesma coisa, talvez até melhor, mas não pior – afirma Manuel Rocha.- O Jobi não é só um bar, é como se fosse uma segunda casa para muita gente – continua.Acompanhe aqui o vídeo em homenagem a um dos bares mais famosos do Leblon.O Rio Gastronomia é uma realização do jornal O GLOBO com apresentação do Senac RJ e do Sesc RJ, patrocínio master do Santander, patrocínio de Naturgy e Stella Artois, apoio do Gosto da Amazônia, Água Pouso Alto e Getnet, e parceria do SindRio.