Barco naufraga no Canal da Mancha, e ao menos 27 migrantes morrem afogados

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Um bote que atravessava o Canal da Mancha com migrantes naufragou nesta quarta-feira (24). Ao menos 27 pessoas morreram afogadas, entre eles uma grávida. Os corpos foram resgatados na costa de Dunquerque (ao norte da França).

O naufrágio foi descrito como uma "tragédia" pelo primeiro-ministro francês, Jean Castex. Este é o acidente com maior número de mortos na região desde 2018, quando tiveram início as travessias clandestinas de migrantes deixando a França pelo porto de Calais para chegarem ao Reino Unido pelo mar.

"O naufrágio na Mancha é uma tragédia. Meus pensamentos vão aos numerosos mortos e feridos, vítimas de coiotes criminosos que exploram o sofrimento e a miséria alheia", disse Castex em um comunicado nas redes sociais.

O premiê britânico, Boris Johnson, disse estar chocado, revoltado e profundamente triste com a morte dos migrantes e convocou uma reunião de crise para tratar sobre o acidente.

Do lado francês, o ministro do Interior, Gérald Darmanin, foi para Calais acompanhar a situação. Segundo Darmanin, o bote clandestino levava 34 migrantes.

Pescador encontrou corpos

De acordo com o jornal local La Voix du Nord, as equipes da associação de socorro marítimo SNSM foram chamadas para ajudar uma embarcação com problemas no motor enquanto atravessava o Canal da Mancha por volta das 5h. No entanto, os tripulantes decidiram seguir viagem.

Os corpos dos migrantes afogados foram encontrados por um pescador que, por volta das 14h, alertou a polícia.

Os trabalhos de resgate começaram ao longo da tarde, com três navios e dois helicópteros, de acordo com a secretaria de polícia marítima da Mancha.

(Com informações da AFP)


Leia mais

Leia também:
Após greve de fome de ativistas, governo francês propõe acolhimento de migrantes em Calais
Polônia anuncia construção de muro na fronteira com Belarus para conter onda migratória

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos