Barco romano datado em mais de 2.000 anos é encontrado no mar da Croácia

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Uma embarcação de madeira construída na época do Império Romano foi encontrada por pesquisadores no mar da Croácia. A descoberta, feita por arqueólogos da cidade costeira de Zadar, foi anunciada pelo Centro Internacional de Arqueologia Subaquática do município.

Datado em mais de 2.000 anos, o barco tem aproximadamente três metros de largura e nove de comprimento. A embarcação foi encontrada a apenas dois metros de profundidade, parcialmente coberta por areia e em boas condições de preservação.

As partes externas foram danificadas por vermes, mas o restante do barco está em condições "incrivelmente boas" graças ao fato de que a madeira foi preservada na areia por dois milênios, disse o chefe de pesquisa, Mladen Pesic, ao site croata Zadarski.hr.

Como o barco está em um local relativamente raso, as equipes de investigação conseguiram permanecer na água por quase duas horas a cada mergulho, o que é uma grande vantagem em relação a descobertas feitas em zonas profundas, em que os mergulhadores são obrigados a voltar à superfície mais vezes.

"Cada elemento [do barco] é marcado e fotografado. Com base nisso, faremos posteriormente os desenhos do próprio navio. Ao contrário da maioria das embarcações antigas que afundam e acabam deformadas no fundo do mar, esta conseguiu se manter. Toda a sua concha foi preservada, o que é um grande diferencial", afirmou Pesic. Ele diz que amostras da madeira foram enviadas à França para análise de origem, que poderá determinar o local onde o barco foi construído.

O Centro Internacional de Arqueologia Subaquática em Zadar informou que as escavações foram feitas de 10 a 21 de outubro. As investigações subaquáticas serão retomadas no ano que vem.

Há muito tempo os pesquisadores suspeitam da existência de um rico sítio arqueológico na região, onde antes havia um porto. No local foram erguidas construções romanas em duas fases: a primeira data do século 1 d.C, e a segunda de meados, do século 4 d.C. Em relação à primeira fase, foram encontrados vasos de cerâmica, ânforas, lamparinas a óleo e fragmentos de vidro que chegaram à região de diferentes partes do Mediterrâneo --incluindo a atual área da Grécia, da Turquia, do Oriente Médio e da Itália.

Dos achados da segunda fase, destacam-se 30 moedas de bronze cunhadas durante o reinado dos imperadores romanos Constantino 2º e Constâncio 2º, também encontradas no mar.

"O antigo porto de Barbir foi descoberto em 1973 e, por muito tempo, documentado apenas na superfície [...]. Em 2017, iniciaram-se novas investigações na área, mais sérias, paralelamente à pesquisa de uma vila romana no continente", disse Pesic.

A descoberta do barco é resultado de pesquisas realizadas há seis anos e conduzidas pelo Centro Internacional de Arqueologia Subaquática em Zadar, com cooperação do Instituto Arqueológico Alemão e de outros parceiros como a Universidade de Oxford, na Inglaterra, além da Universidade de Zadar.