Barra Torres afirma que governo não se precipitou ao comprar vacina indiana sem autorização da Anvisa

·1 minuto de leitura
BRASÍLIA, DF, 11.05.2021: ANTONIO-BARRA TORRES - O presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, presta depoimento à CPI da Covid no Senado, em Brasília, nesta terça. O senador Omar Aziz (PSD-AM) preside a comissão e o relator é o senador Renan Calheiros (MDB-AL). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
BRASÍLIA, DF, 11.05.2021: ANTONIO-BARRA TORRES - O presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, presta depoimento à CPI da Covid no Senado, em Brasília, nesta terça. O senador Omar Aziz (PSD-AM) preside a comissão e o relator é o senador Renan Calheiros (MDB-AL). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Em depoimento à CPI da Covid-19, nesta terça-feira (11), o diretor-presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres avaliou que o governo federal não se precipitou ao fechar contrato de compra de 20 milhões de doses da vacina Covaxin, cuja importação acabou recusada pela agência.

"Não houve porque esse processo pode ser aproveitado", afirmou Barra Torres, após ser questionado pelo relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Barra Torres então explicou que as dificuldades que resultaram na negativa de importação podem ser sanadas e assim a importação ser liberada.

O diretor-presidente da Anvisa explicou que faltou um relatório emitido pela autoridade sanitária indiana, que é condicionante para a autorização de importação. Isso deve ser sanado rapidamente, pois, argumentou, as autoridades indianas têm "tradição de responder rápido a questionamentos".

Em relação à Sputnik V, vacina de procedência russa, o diretor-presidente afirmou que a responsabilidade por destravar o procedimento está toda com o laboratório responsável por essa imunização no Brasil.

"A autorização de uso emergencial encontra-se nesse momento em análise na agência, através da submissão de documentos pela empresa. Essa análise encontra-se parada para que a união química forneça os documentos", afirmou.

"Essa potencialidade é toda do desenvolvedor de apresentar respostas para os quesitos já apontados para esse desenvolvedor".

Barra Torres também foi questionado sobre o impacto das declarações do presidente Jair Bolsonaro na negociação para a aquisição dos IFAs (Insumos Farmacêuticos Ativos), para as vacinas.

"Eu não tenho informação do nexo causal", afirmou Barra Torres.

O diretor-presidente da Anvisa afirmou então que os países erraram ao não concentrarem a produção dos insumos em seu território, por isso Índia e China passaram a ter um grande "impacto" no mercado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos