Barroso cobra governo e dá 5 dias para Bolsonaro explicar buscas no AM

***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 16.11.2020 - O ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 16.11.2020 - O ministro Luís Roberto Barroso, do STF (Supremo Tribunal Federal). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal, estabeleceu prazo de cinco dias para que o governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) apresente informações à corte sobre as providências adotadas para localização do jornalista Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira.

Na decisão desta sexta-feira (10), Barroso fixou multa diária de R$ 100 mil caso o Executivo descumpra a ordem.

Ele determinou a intimação da União, do ministro da Justiça e Segurança Pública, Anderson Torres, do diretor-geral da Polícia Federal, Márcio Nunes de Oliveira, e do presidente da Funai, Marcelo Xavier.

"Sem uma atuação efetiva e determinada do Estado brasileiro, a Amazônia vai cair, progressivamente, em situação de anomia, de terra sem lei. É preciso reordenar as prioridades do país nessa matéria", afirmou O magistrado.

O desaparecimento do jornalista Dom Phillips, 57, e do indigenista Bruno Pereira, 41, vistos pela última vez na manhã de domingo (5), na terra indígena Vale do Javari, no Amazonas, mobilizou a sociedade civil e ganhou repercussão internacional.

As autoridades à frente das investigações ouviram seis pessoas e apuram a possível relação com o caso de um pescador preso na terça-feira (7) por porte de munição ilegal.

As Forças Armadas, as forças de segurança do Amazonas e a Polícia Federal seguem as buscas pelos desaparecidos.

Desaparecidos desde a manhã de domingo (5), os dois faziam uma viagem pelo Vale do Javari, segunda maior terra indígena do país, com 8,5 milhões de hectares, no extremo oeste do Amazonas.

Após visita a uma base da Funai no Lago do Jaburu, eles pararam na comunidade São Rafael para uma reunião com um pescador conhecido como "Churrasco" —conversaram com a esposa dele, já que ele não se encontrava no local.

Em seguida, continuaram a viagem pelo rio Itacoaí em direção ao município Atalaia do Norte, mas, no meio do caminho, desapareceram. Segundo a Univaja, este trajeto dura aproximadamente duas horas. Assim, eles deveriam ter chegado na cidade entre as 8h e as 9h.

Os dois foram avistados por moradores da comunidade de São Gabriel, situada mais adiante no trajeto pelo rio, mas já em uma terceira localidade, conhecida como Cachoeirinha, os relatos obtidos por equipes de busca dão conta de que os moradores não os viram.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos