Barroso e Gilmar Mendes trocam farpas nas redes ao defenderem semipresidencialismo

·1 minuto de leitura

Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e Luís Roberto Barroso trocaram farpas no Twitter, na segunda-feira, ao defenderem o semipresidencialismo como sistema de governo para o país. Mendes elogiou a defesa da implementação do sistema feita por Barroso em debate na Câmara no mesmo dia. No post, Gilmar fez questão de dizer que apoia a mudança do modelo político brasileiro desde 2017. No entanto, alguns minutos depois, Barroso escreveu em sua conta que defende a ideia desde 2006.

"Em conjunto com Michel Temer e o Professor Manoel Gonçalves, desde 2017, cultivamos essa alternativa para a superação dos déficits de governabilidade do modelo atual", escreveu Gilmar.

Ao que Barroso, que é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), tuitou menos de uma hora depois:

"Hoje, em seminário na Câmara, defendi para 2026 mudança do sistema de governo para o semipresidencialismo, em que o presidente é escolhido pelo voto e indica o primeiro-ministro para cuidar do varejo da política. Compartilho aqui proposta que fiz em 2006".

Os dois ministros possuem um histórico de bate bocas em sessões do Supremo. Apesar de passarem um período de trégua em 2020, no final de abril deste ano os dois voltaram a discutir no encontro virtual que analisava a manutenção da decisão que declarou o ex-juiz Sergio Moro parcial no processo do tríplex do Guarujá (SP).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos