Barroso pede desculpas à sociedade por atraso na divulgação do resultado das eleições de domingo

Carolina Brígido
·2 minuto de leitura
Pablo Jacob / Agência O Globo
Pablo Jacob / Agência O Globo

BRASÍLIA - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luís Roberto Barroso, pediu desculpas à sociedade brasileira nesta terça-feira pelo atraso na totalização dos votos das eleições municipais do último domingo. Ele reforçou, no entanto, que não houve falha na contagem dos votos, apenas um atraso de pouco mais de duas horas. As declarações foram dadas no início da primeira sessão de julgamentos realizada na Corte depois das eleições.

— Peço desculpas aos colegas e à sociedade brasileira por esses dificuldades que enfrentamos, mas esclareço que não houve nenhum tipo de comprometimento para a fidedignidade do voto, para a fidelidade da manifestação da vontade popular — disse, completando:

— Houve um pequeno atraso na totalização dos votos, que foi totalmente irrelevante para o resultado que afinal foi divulgado. Portanto, apesar do transtorno, o processo transcorreu de forma tranquila e divulgamos o resultado na noite do mesmo dia em que transcorreu a votação.

Ainda segundo o ministro, não houve falha no supercomputador, como se cogitou no domingo.

— Tivemos um pequeno problema no processamento dessas informações pela utilização de um novo supercomputador. Até que se detectasse efetivamente o problema, supôs-se, num primeiro momento, que fosse a falha de um dos oito processadores do supercomputador. Mas, na verdade, o problema foi de apreensão equivocada da tarefa pela inteligência artificial. O tempo de atraso, pouco mais de duas horas, foi o esforço de detectar o problema — afirmou.

Barroso ressaltou que o sistema eleitoral brasileiro não deixa margem para fraudes. Ele lembrou que, quando a urna eletrônica começa a funcionar, às 7h do dia da eleição, é impresso um boletim para demonstrar que não havia nenhum voto na urna. Ao final da votação, a urna imprime o boletim com o resultado daquela urna específica, que é divulgado na seção eleitoral.

— A partir daí, está definido o resultado das eleições. O que se faz aqui no TSE é a totalização desses boletins de urna. Nada é capaz de alterar aquele resultado — explicou o ministro.