A batalha esquecida que mudou o rumo da Segunda Guerra Mundial na Ásia

Anbarasan Ethirajan - BBC News
·7 minuto de leitura
View of the Garrison Hill battlefield with the British and Japanese positions shown. Garrison Hill was the key to the British defences at Kohima.
View of the Garrison Hill battlefield with the British and Japanese positions shown. Garrison Hill was the key to the British defences at Kohima.

O capitão britânico Robin Rowland tinha 22 anos quando seu regimento foi enviado para a cidade de Kohima, no nordeste da Índia. Era maio de 1944, e um pequeno grupo de soldados anglo-indianos estava sendo atacado por uma divisão inteira das forças japonesas.

Rowland, agora com 99 anos, lembra vividamente o cerco à cidade, seguido por um rastro de devastação até a linha de frente.

"Vimos trincheiras abandonadas e povoados destruídos e, à medida que avançávamos, o cheiro da morte estava por toda parte", recorda.

O jovem capitão era membro do regimento de Punjab do Exército britânico da Índia e estava a caminho para ajudar a render 1,5 mil de seus soldados que haviam passado semanas resistindo às forças japonesas — presente em número dez vezes maior.

Robin Rowland sentado ao centro com membros do regimento de Punjab após a derrota japonesa em foto tirada em Bangkok em 1945
Robin Rowland sentado ao centro com membros do regimento de Punjab após a derrota japonesa em foto tirada em Bangkok em 1945

Isoladas pelos japoneses, as forças aliadas dependiam exclusivamente de suprimentos que chegavam por via aérea, e poucos acreditavam que poderiam resistir ao ataque implacável.

Soldados japoneses marcharam para Kohima passando pelo que era na época a Birmânia (atual Mianmar), e seu objetivo era invadir a Índia.

Os japoneses já haviam derrotado os britânicos na Birmânia, mas ninguém esperava que eles conseguissem passar com sucesso pelas colinas e corredeiras infestadas de mosquitos a caminho de Kohima, capital de Nagaland, e Imfal, capital do Estado de Manipur, na Índia.

Quando conseguiram, as tropas anglo-indianas encarregadas de defender as duas cidades foram cercadas por mais de 15 mil soldados japoneses.

Elas lutaram durante semanas para evitar que os japoneses avançassem e tomassem a estratégica cidade de Dimapur, que poderia abrir caminho para as planícies de Assam. Poucos acreditavam que a defesa dos anglos-indianos poderia vencer.

Os soldados japoneses chegavam "horda após horda, noite após noite", relembra o capitão Rowland.

O confronto foi violento, e as forças anglo-indianas ficaram confinadas em Garrison Hill, de onde se via Kohima.

Em um dado momento, a luta se transformou em um combate corpo a corpo, com apenas uma quadra de tênis separando os dois lados.

Quadra de tênis em Garrison Hil
Uma quadra de tênis em Garrison Hill era tudo o que separava os dois exércitos

Os soldados anglo-indianos sitiados resistiram até a chegada de reforços.

Após três meses, em junho de 1944, com mais de 7 mil baixas e quase nenhum suprimento de comida, a divisão japonesa bateu em retirada e voltou para a Birmânia, apesar das ordens vindas de cima para permanecer e lutar.

"Foi uma tremenda resistência de 1,5 mil soldados britânicos-indianos", avalia o capitão Rowland.

"Se os japoneses tivessem tomado Garrison Hill, teriam ido para Dimapur."

As forças anglo-indianas receberam ordens para perseguir os japoneses em retirada, e Robin Rowland estava entre os que foram atrás deles.

Alguns soldados japoneses morreram de cólera, febre tifóide e malária, mas a maioria morreu de fome porque os suprimentos deles haviam acabado.

Homens do Regimento Royal West Kent silenciosamente prestam homenagem aos companheiros que morreram na Batalha de Kohima em novembro de 1945
Homens do Regimento Royal West Kent silenciosamente prestam homenagem aos companheiros que morreram na Batalha de Kohima em novembro de 1945

De acordo com o historiador militar Robert Lyman, a batalha "mudou o curso da Segunda Guerra Mundial na Ásia".

"A invasão japonesa da Índia, da qual a Batalha de Kohima foi uma parte significativa, foi [sua] primeira grande derrota no Extremo Oriente", disse ele à BBC.

Mas embora tenha sido um ponto de virada, essa batalha nunca povoou o imaginário popular como o Dia D, Waterloo ou outras batalhas na Europa e no norte da África.

Muitas vezes, é descrita como "a batalha esquecida".

As pessoas no Reino Unido estavam simplesmente longe demais para registrá-la, de acordo com Bob Cook, diretor do Museu Kohima na cidade de York, na Inglaterra.

"Os alemães estavam a apenas 35 quilômetros do Reino Unido", diz ele. "O que mais preocupava o povo deste país era a ameaça iminente de uma invasão alemã."

Mas houve algumas tentativas de ensinar as pessoas sobre a batalha de Kohima e Imphal. Em 2013, a mesma foi eleita a maior batalha britânica durante um debate no National Army Museum, em Londres, um triunfo inesperado, derrotando o Dia D e Waterloo.

Robert Lyman saiu em defesa de Kohima na ocasião.

"Grandes coisas estavam em jogo em uma guerra com o inimigo mais duro que qualquer exército britânico já teve que enfrentar", declarou em seu discurso.

Mas no subcontinente houve poucas tentativas de destacar a importância da batalha, na qual milhares de soldados indianos e da Commonwealth, incluindo homens da atual Índia, Paquistão e Bangladesh, perderam suas vidas.

"Uma das razões, acredito eu, é que os líderes da Índia estavam ocupados demais lidando com os efeitos da transição e divisão inicialmente", analisa Charles Chasie, historiador baseado em Kohima, Nagaland.

"Os britânicos decidiram sair às pressas antes que as coisas ficassem muito complicadas e fora de controle no subcontinente."

A Batalha de Kohima foi vista mais como uma guerra colonial, enquanto o discurso do pós-guerra se concentrou mais na luta pela independência da Índia liderada pelo líder Mahatma Gandhi.

Além do exército britânico-indiano, milhares de pessoas da comunidade étnica naga lutaram ao lado dos britânicos e forneceram informações valiosas durante o conflito. Seu profundo conhecimento do território montanhoso foi de grande ajuda para os britânicos.

Hoje em dia, poucos nagas que sobreviveram à Batalha de Kohima ainda estão vivos. Sosangtemba Ao é um deles. Ele estava entre os recrutados pelo exército britânico para fechar a estrada da Birmânia.

Sosangtemba Ao
Sosangtemba Ao disse que os soldados japoneses não tinham medo da morte

"Os bombardeiros japoneses sobrevoavam todos os dias jogando explosivos", lembra Ao.

"O som era ensurdecedor e havia fumaça após cada ataque. Era angustiante."

Ele trabalhou ao lado dos ingleses por dois meses em troca do pagamento de uma rúpia por dia. E afirma que ainda tem muita admiração pela capacidade de combate dos soldados japoneses.

"O exército japonês estava altamente motivado. Seus soldados não tinham medo da morte. Para eles, lutar pelo imperador era divino. Quando pediam a eles para se render, se convertiam em combatentes suicidas."

Memorial aos mortos no cemitério de guerra de Kohima
Memorial aos mortos no cemitério de guerra de Kohima

Para marcar o 75º aniversário da rendição japonesa, foi lançado recentemente na internet um documentário sobre a batalha, Memories of a Forgotten War ("Memórias de uma Guerra Esquecida", em tradução literal). O produtor Subimal Bhattacharjee e sua equipe viajaram ao Japão há alguns anos para uma comemoração.

"Quando os veteranos japoneses e britânicos de Kohima se conheceram, eles se abraçaram e começaram a chorar", contou.

"No passado eles atiraram um no outro, mas ainda assim demonstraram um vínculo especial. Foi espontâneo, não esperávamos isso."

Para os japoneses, foi uma derrota humilhante, e os veteranos japoneses raramente falam de sua experiência em Kohima.

"Não sobrou nada da comida japonesa", disse um deles, Wajima Koichiro, que foi entrevistado para o documentário.

"Foi um jogo perdido e então nos retiramos."

Os nagas, que ajudaram os britânicos e sofreram grandes baixas, continuaram a sofrer. Eles esperavam que os britânicos os reconhecessem como uma nação naga independente durante a transferência de poder, e não como parte da Índia.

Mas ficaram "profundamente desapontados", diz o historiador Charles Chasie, e muitos culparam os britânicos pelos milhares de nagas que morreram em conflitos subsequentes com o governo e o exército indiano.

Ao longo dos anos, as famílias dos mortos em Kohima e Imphal, especialmente do Reino Unido e do Japão, viajaram até os dois cemitérios de guerra para prestar homenagem a seus antepassados.

O capitão Rowland voltou a Kohima com seu filho em 2002 a convite do regimento indiano de Punjab. Ele parou na frente de Garrison Hill, onde ele e seus soldados resistiram às hordas de combatentes japoneses 58 anos antes.

Robin Rowland no memorial da Abadia de Westminster em 6 de novembro de 2014
Robin Rowland no memorial da Abadia de Westminster em 6 de novembro de 2014

"Isso trouxe de volta muitas memórias", afirmou Rowland, lembrando como um grupo de 1,5 mil homens enfrentou o poderio de toda a 31ª divisão japonesa.

"Foi uma grande conquista militar."

Antes de deixar Kohima, o capitão e seu filho pararam para colocar uma coroa de flores na base do memorial de guerra de pedra bruta em Garrison Hill.

Ele sabe que a batalha não faz parte do imaginário popular como outras mais famosas, mas quem esteve lá jamais a esqueceu.

"Foi um grande tributo à resiliência da natureza humana", afirmou.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!