Trump diz que não fará acordo sobre o Daca e pede leis migratórias mais duras

Washington, 1 abr (EFE).- O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou neste domingo que não haverá acordo para regularizar a situação dos jovens imigrantes ilegais protegidos da deportação pelo Programa de Ação Diferida para os Chegados na Infância (Daca) e pediu aos republicanos para usarem a maioria no Congresso para aprovar leis migratórias mais duras.

As declarações de Trump representam uma mudança de postura do presidente em relação ao Daca. Até então, ele afirmava querer solucionar o problema desses jovens imigrantes, conhecidos como "sonhadores", e tinha culpado os democratas pelo bloqueio das negociações sobre o assunto.

Hoje, no entanto, Trump pediu aos correligionários que usem a chama "opção nuclear" para mudar o regimento do Senado e aprovar uma lei de imigração sem contemplar uma solução para o Daca.

"Os republicanos devem usar a opção nuclear para aprovar leis duras. Não mais acordos com o Daca", disse Trump no Twitter.

A chamada "opção nuclear" faz com que os projetos sejam aprovados por maioria simples (51 votos) e não com 60, como normalmente ocorre. Quem pode convocar a medida é o líder do Senado, o republicano Mitch McConnell.

Congressistas dos dois partidos apresentaram várias propostas para dar uma solução definitiva para a situação dos "sonhadores", mas Trump não aceitou nenhuma delas por não garantirem dinheiro suficiente para o muro com o México ou porque não acabavam com o atual sistema de reagrupamento familiar.

No Twitter, Trump também criticou o México e voltou a ameaçar acabar com o Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta), que os EUA estão renegociando com mexicanos e canadenses.

"O México está fazendo muito pouco, quase nada, para evitar que as pessoas cheguem ao país através de sua fronteira sul e, depois, aos Estados Unidos. Riem das nossas leis tolas de imigração. Eles têm que acabar com as drogas e o fluxo de gente, ou vou acabar com o Nafta. Precisamos de um muro!", disse Trump. EFE