Bayern vence PSG (2-0) e avança às quartas da Champions

Na segunda temporada com o trio Lionel Messi, Neymar e Mbappé, o Paris Saint-Germain teve um novo fracasso na Europa, ao ser eliminado nas oitavas de final da Liga dos Campeões pelo segundo ano consecutivo, derrotado nesta quarta-feira por 2 a 0 para o Bayer de Munique (3 a 0 no placar agregado.

Sem Neymar, lesionado, Messi e Mbappé foram se apagando aos poucos em campo, principalmente depois que o camaronês Maxim Choupo-Moting, ex-PSG, abriu o placar para o Bayern no começo do segundo tempo (61'), antes de Serge Gnarby (89') fazer o segundo e sentenciar a classificação dos bávaros.

"No primeiro tempo, não fizemos bem o que tínhamos conversado antes. Havia muitos espaços. No segundo, defendemos melhor e fomos perigosos com a bola. No final, merecemos vencer", analisou depois da partida o técnico do time alemão, Julian Nigelsmann.

O comandante do PSG, Christophe Galtier, teve uma leitura parecida: "Fizemos um bom primeiro tempo, criamos oportunidades, mas não soubemos aproveitar. E na segunda etapa sofremos um gol estúpido. Jogando neste nível, é preciso ter lucidez (...) Evidentemente o vestiário está frustrado e decepcionado".

Galtier não quis se pronunciar sobre seu futuro no comando da equipe: "É cedo demais e meu futuro depende necessariamente da diretoria, do presidente. Por mim, vou continuar focado no final da temporada, com energia e determinação".

- Fim do trio 'MNM'? -

Este novo fracasso europeu do ambicioso clube parisiense abre espaço para vários pontos de interrogação: haverá um terceiro capítulo do trio 'MNM'? E quem será sacrificado: Neymar, Messi ou Mbappé? O treinador pagará o pato novamente, como aconteceu antes com Pochettino, Tuchel e Emery?

Longe do nível que se pode esperar de um elenco construído à base de altos investimentos e que conta com muitos dos melhores jogadores do mundo, o PSG foi claramente inferior nos 180 minutos do embate com o Bayern, que volta a aparecer entre os oito melhores da Champions.

Apesar da derrota no Parque dos Príncipes, o time parisiense quis mostrar rápido que não tinha entregado os pontos e logo aos dois minutos chegou pela primeira vez com Mbappé, em finalização defendida por Yann Sommer.

Os alemães eram quem davam as cartas, mas o PSG, com um Messi muito mais ativo do que no jogo que ida, levou bastante perigo e criou chances para abrir o placar.

O astro argentino recebeu bom passe de frente para o gol, mas foi travado na hora H por Alphonso Davis (25'). Mais perto ainda de marcar esteve Vitinha, que não aproveitou um erro de Sommer ao bater fraco demais para a meta vazia e Matthijs de Ligt salvou em cima da linha (38').

- Choupo-Moting e Gnabry marcam -

Pelo lado do Bayern, as chances mais claras foram de Leon Goretzka batendo de longe para a defesa de Gianluigi Donnarumma (16'), e a do jovem Jamal Musiala, com uma bomba de perna esquerda que o goleiro italiano mandou para escanteio (32).

A tarefa de reverter o resultado se complicou um pouco mais para o PSG quando o capitão da equipe, o zagueiro brasileiro Marquinhos, teve que deixar o campo após sofrer uma pancada na costela e foi substituído por Nordi Mukiele (35'), que voltava de lesão e aguentou apenas dez minutos, quando foi trocado no intervalo pelo jovem de 17 anos El Chadaille Bitshiabu.

Na volta para a segunda etapa, o Bayern veio disposto a definir o confronto e Choupo-Moting fez sua primeira tentativa em um chute que desviou em Danilo Pereira. No rebote, a bola caiu nos pés de Joshua Kimmich, que bateu em cima do corpo de Choupo-Moting (51').

Um minuto depois, o atacante camaronês cabeceou para as redes após um cruzamento de Musiala, mas o lance foi anulado por impedimento de Thomas Müller na jogada.

Na terceira chance, finalmente o gol: Verradi perdeu a bola na entrada da área e Goretzka serviu Choupo-Moting para bater Donnarumma (61').

O PSG tinha apenas 30 minutos para fazer dois e forçar a prorrogação, e Sergio Ramos quase conseguiu o primeiro em uma cabeçada que Sommer espalmou com uma das mãos (64').

Mas essa foi praticamente a única grande chance do segundo tempo para os franceses, que em nenhum momento pareceram ter forças para conseguir uma virada, enquanto o Bayern ia empilhando chances (69', 72' e 75').

Na reta final, o time alemão fez o segundo em uma jogada de contra-ataque com Gnarby recebendo de João Cancelo, invadindo a área e batendo cruzado no canto esquerdo de Donnarumma (89').

O gigante da Baviera poderia ter conseguido um placar ainda mais confortável se o gol de Sadio Mamé nos acréscimos não fosse anulado por impedimento.

mcd/dr/cb