BC precisa de meta de crescimento econômico e emprego além da inflação, diz Lula

Homem caminha em frente à sede do Banco Central, em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - O ex-presidente e candidato ao Planalto Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu nesta terça-feira que o Banco Central estabeleça metas de crescimento econômico e de geração de emprego, além de atuar no controle da inflação, e disse que irá conversar, caso eleito, com o presidente da autoridade monetária, Roberto Campos Neto.

"O Banco Central, ele tem como finalidade fazer com que a inflação seja controlada e o único mecanismo que ele tem é aumentar a taxa de juros. É preciso criar outro mecanismo, o Banco Central precisa assumir outra responsabilidade. O mesmo banco que tem poder para taxar e dar a meta de inflação, precisa dar a meta de crescimento econômico e a meta de emprego que nós vamos criar", disse o petista em entrevista ao SBT.

"Nós vamos conversar com o presidente do Banco Central, ele certamente é uma pessoa razoável para conversar, é um economista competente e vamos conversar", acrescentou o ex-presidente sobre Campos Neto, que tem mandato para cumprir à frente do BC até 31 de dezembro de 2024.

Lula lidera as pesquisas eleitorais e tem chances de liquidar a disputa ainda no primeiro turno, no domingo.

O ex-presidente criticou na entrevista seu principal adversário na corrida eleitoral, o presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL), por ter mirado no ICMS incidente sobre os combustíveis para reduzir os preços.

O petista disse não ter a intenção de mexer em políticas que são prerrogativas dos Estados --caso do ICMS-- e afirmou que para reduzir o preço dos combustíveis pretende ir no que considera a fonte do problema: a política de preços da Petrobras.

O ex-presidente reafirmou ainda seu compromisso em promover, caso eleito, uma reforma tributária, defendendo que os mais ricos têm que pagar "um pouco mais".

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)