Bebê atropelada e arrastada por carro vai precisar de enxerto de pele no pé

Acidente de carro na faixa de pedestres. O veículo bate no carrinho de bebê.  (Foto: Getty Creative)
Imagem meramente ilustrativa de um acidente de carro na faixa de pedestres (Foto: Getty Creative)

A bebê que foi atropelada e arrastada por um carro em uma avenida da Zona Sul de São Paulo vai precisar passar por um procedimento para enxerto de pele nos pés na próxima semana.

A bebê, que completa um ano neste sábado (13), permaneceu internada na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do Hospital do Campo Limpo por 15 dias e precisará voltar ao hospital para a troca dos curativos e para que os médicos realizem esse procedimento. O acidente ocasionou lesões graves nos pés em decorrência do atrito da pele com o asfalto.

O atropelamento ocorreu na Avenida Engenheiro Eusébio Stevaux, quando o pai da bebê estava atravessando a faixa de pedestres da avenida, empurrando o carrinho com ela. Eles foram atingidos por um veículo branco, que fugiu sem prestar socorro. O pai da criança foi lançado ao chão, mas ao perceber que o carrinho com a sua filha estava preso , se levantou e passou a correr e a bater no veículo para que a condutora percebesse o ocorrido. O carro arrastou a criança por cerca de 800 metros.

De acordo com a polícia, a motorista, identificada como Renata Cândida da Cruz Nunes, alegou que não parou porque estava com a filha no carro e teria ficado com medo de ser agredida.

Segundo a Segurança Pública de São Paulo (SSP), o caso foi registrado como lesão corporal culposa na direção de veículo pelo 98º Distrito Policial.

A motorista só parou o carro na entrada do condomínio onde mora.

Em entrevista à "TV Globo", a avó da criança, Eliana da Silva, disse que a condutora do veículo poderia ter evitado o acidente.

"Eu realmente não consigo entender porque é uma bebê, um ser indefeso e ela não teve essa capacidade, essa compaixão em parar o veículo e socorrer", criticou a avó.