Bebê sequestrado em maternidade é encontrado e devolvido à mãe

A sequestradora entrou na meternidade com um jaleco e levou a criança. (Foto: Reprodução/TV Globo)

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Criança foi levada por suposta enfermeira da maternidade

  • Sequestradora deu entrada em outro hospital alegando que o parto aconteceu em casa

Uma criança recém-nascida foi sequestrada do Hospital Regional de Taguatinga (HRT), no Distrito Federal, na madrugada da última quinta-feira (28) – um dia após o parto. Cerca de seis horas após o desaparecimento, ele foi encontrado no Hospital Regional de Ceilândia (HRC).

A mãe do bebê, uma jovem de 21 anos, diz que o pequeno Miguel Pietro foi levado por uma suposta enfermeira da maternidade, que disse que ele precisava passar por exames. A sequestradora teria levado a criança ao outro hospital como se fosse seu filho, alegando que tinha acabado de dar à luz em casa.

Leia também

A equipe médica que atendeu a criança suspeitou imediatamente da veracidade da história, já que o menino parecia já ter recebido atendimento médico:

"Os profissionais de saúde de Ceilândia constataram que o menor não havia nascido fora de unidade hospitalar e já tinha características de atendimento médico, como o corte do cordão umbilical e a marca da vacina BCG", diz nota do HRT.

O hospital informou que havia um funcionário da segurança no andar onde o menino nasceu. Ao ficar sabendo sobre o desaparecimento da criança, a tia de Miguel fez uma postagem no Facebook com todas as informações que a família tinha. Na publicação, ela afirma que a mãe do menino disse que a sequestradora tinha “um aspecto de mulher jovem”. E a descreveu: "Alta magra, cabelo preto, calça preto, blusa cinza e sapato roxo".

"Ela é mãe de primeira viagem, não sabia como funcionava. Pediram para medir a glicemia às 3h e ela entregou o bebê. Ela chegou a ir atrás, mas perdeu de vista" contou a tia.

Agora, Miguel segue internado em Ceilândia, desta vez na companhia da mãe. A suspeita do crime foi encaminhada à Delegacia de Repressão a Sequestros (DRS) e prestou depoimento à polícia. Ela pode responder por subtração de incapaz.