Bebê tem o corpo queimado em acidente com água fervente no litoral de SP

·2 min de leitura
Bebê teve o corpo queimado durante acidente com água fervente em São Vicente (SP) - Reprodução/G1
Bebê teve o corpo queimado durante acidente com água fervente em São Vicente (SP) - Reprodução/G1
  • Uma criança de 1 ano e 3 meses foi atingida por uma panela de água fervente em São Vicente (SP)

  • O bebê teve 30% do corpo queimado e foi hospitalizado

  • A família pede doações para ajudar na recuperação da menina

Uma criança de 1 ano e 3 meses foi atingida por uma panela de água fervente e teve 30% do corpo queimado. A pequena Rayssa Gabrielly de Jesus recebeu atendimento médico, mas a família precisa de doações para ajudar na recuperação da menina, que segue hospitalizada.

O acidente doméstico ocorreu em São Vicente (litoral de São Paulo), após a alça da panela que fervia a água ter se soltado.

"Era uma leiteira, tipo uma panela com duas alças. Uma delas soltou, e virou em cima dela. Foi uma coisa muito rápida, a mãe dela estava coando café, e na hora que virou, a bebê estava embaixo", disse o pai de Rayssa, Clayton Marques Nunes, em entrevista ao portal G1.

No dia do acidente, estavam na residência dois tios da menina, a mãe, o pai e o irmão de 8 anos. Clayton estava no quarto e acordou com os gritos de socorro da esposa e dos familiares. "Eu peguei ela e joguei embaixo do chuveiro. Começou a sair a pele todinha dela. Na hora, entrei em desespero", relembrou ao G1.

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado e encaminhou a garotinha ao Hospital Municipal de São Vicente. Segundo o pai, ela teve queimaduras de 3º e 4º graus e precisou ser submetida a enxertos. Rayssa foi transferida para a Santa Casa de Santos, onde segue internada para recuperação, sem previsão de alta.

Ainda de acordo com Clayton, a filha permanece bem e estável, recebendo antibióticos e remédios para não sentir dor. Em razão do acidente, a mulher dele, que prestava serviços para um restaurante, ficou sem o trabalho. Ele também está desempregado e faz bicos.

A família tem feito campanhas nas redes sociais e alertado que pode buscar doações para levar até a menina, como fraldas, lenços umedecidos e roupas para este período em que ela segue hospitalizada. "Estamos com a menina sem condições, ganhando fraldas, roupas, o que precisa eu pego e levo no hospital", disse Clayton ao G1.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos