Belarus bloqueia principal meio de comunicação independente no país

·2 minuto de leitura
Marina Zolotova, redactora jefe del portal de noticias tut.by, en un tribunal de Minsk, en Bielorrusia, el 12 de febrero de 2019

O site do principal meio de comunicação independente de Belarus, o TUT.BY, foi bloqueado pelas autoridades depois de uma operação de busca e apreensão à sua sede. A medida se dá em meio a uma ofensiva após os protestos sem precedentes no país em 2020.

O Ministério da Informação de Belarus relatou ter "acesso limitado" ao site TUT.BY "devido a várias violações da lei na mídia, especialmente a publicação de informações proibidas".

Os perfis no Facebook, Telegram e nas redes sociais ainda estavam ativos.

Antes disso, a editora-chefe do site, Marina Zolotova, havia informado que a sede da redação, assim como sua residência e a dos jornalistas, foram revistados por "agentes do Departamento de Investigações Financeiras (DFR) do Comitê de Controle do Estado".

O portal de informações indicou que pelo menos 13 de seus funcionários, principalmente jornalistas, contadores e um técnico de informática, foram presos.

O departamento, um poderoso órgão de investigação que persegue a oposição, disse em nota que a diretora da TUT.BY, Liudmila Chekina, foi objeto de processo penal por "fraude fiscal".

“Todos somos testemunhas do assassinato premeditado do meio independente e do portal de informação TUT.BY”, denunciou na terça-feira a principal opositora, Svetlana Tijanóvskaya, exilada na Lituânia.

No poder desde 1994, o presidente Alexander Lukashenko enfrentou um vasto movimento de protesto contra sua reeleição em 2020, considerada fraudulenta pela oposição.

Nos últimos meses, Lukashenko promoveu uma campanha de repressão contra a oposição e contra os veículos da imprensa independente.

No verão e no outono de 2020, o movimento contra sua reeleição reuniu dezenas de milhares de pessoas nas ruas de Minsk e em outras cidades, uma grande mobilização para um país de apenas 9,5 milhões de habitantes.

O TUT.BY é o principal meio de comunicação independente do país e cobriu amplamente, com textos e imagens, o movimento de protesto e a repressão posterior.

No Twitter, o porta-voz da diplomacia dos EUA, Ned Price, criticou uma nova medida do regime de Lukashenko para "sufocar vozes independentes e punir jornalistas por sua cobertura honesta de assuntos atuais".

tk-alf/apo/slb/zm/mis/tt/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos